Famílias deixam áreas de risco após deslizamento no Rio

Nove pessoas morrem e 12 ficam feridas em desmoronamentos em Itaipava; chuvas duram até quarta-feira

Fabiana Marchezi,

04 de fevereiro de 2008 | 10h35

Cerca de 300 famílias já foram retiradas de residências em áreas de risco de Itaipava, distrito de Petrópolis, na Região Serrana do Rio, onde fortes chuvas provocaram deslizamentos de terra que mataram nove pessoas e deixaram pelo menos 12 feridos no fim de semana.  A Prefeitura de Petrópolis atribui a tragédia à ocupação desordenada dos últimos 30 anos.   Mulher morre após sobrado desabar no centro do Rio de Janeiro  Deslizamento ocorreu com ocupação irregular, diz Cabral   Eldorado: ainda há risco, diz comandante de bombeiros    De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Souza Viana, as remoções começaram na noite de domingo, 3, quando a Defesa Civil começou a analisar a situação dos imóveis da região dos deslizamentos. Os moradores estão sendo encaminhados a cinco abrigos improvisados no próprio distrito, sendo três escolas e duas creches.    O Corpo de Bombeiros encerrou as buscas. Quatro feridos permanecem internados, mas não correm risco de morte.   Uma das vítimas fatais, Fátima Maria Nicodemus, de 43 anos, foi soterrada dentro de seu carro após um deslizamento na Estrada do Gentio. Maria Isabel Conceição Silva, de 73 anos, e seu bisneto, Douglas Silva, de 5 anos, também morreram soterrados na mesma rodovia, após sua casa ter sido destruída. Lilian Alice Rodrigues, de 39 anos, foi retirada morta dos escombros de uma casa no bairro de Madame Machado, um dos mais castigados pelos deslizamentos de terra. Érica Correia Santos Silva, de 21 anos e Maria do Carmo, de 50 anos, também morreram. Na localidade conhecida como Granja São Judas, morreram soterradas Josélia Cordeiro Pereira, de 27 anos e as crianças Maria Eduarda Cordeiro e Amanda Dias, ambas de 5 anos.   De acordo com a Defesa Civil, em meia hora o volume de chuva foi de 135 milímetros, o equivalente a três semanas de acúmulo de água.   Ainda segundo os Bombeiros, a previsão é de que as chuvas continuem pelo menos até a próxima quarta-feira, 6, porém com menos intensidade. A Rodovia BR-495, que liga Petrópolis a Teresópolis continua interditada, por conta de um afundamento da pista na altura do quilômetro 15, segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF). A melhor opção para quem sai de Petrópolis com destino a Teresópolis é descer a serra até Magé e subir novamente pela BR-116.

Tudo o que sabemos sobre:
Riochuvadeslizamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.