Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ministério da Justiça
Ministério da Justiça

Flávio Bolsonaro celebra nas redes sociais a 'eliminação' do miliciano Ecko

Filho do presidente deu 'apoio incondicional' aos policiais do Rio 'e de todo o Brasil'. Operação contra o criminoso ocorreu na Comunidade das Três Pontes, na zona oeste da capital fluminense

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2021 | 16h30

RIO - A operação da Polícia Civil que resultou, neste sábado, 12, na morte do miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko, foi comemorada por Flávio Bolsonaro, senador e filho do presidente da República, Jair Bolsonaro. No twitter, ele parabenizou os policiais "pela eliminação" de Ecko. Acrescentou ainda que o miliciano "nunca foi policial e era o mais procurado do País".  

"Todo respeito e apoio incondicional aos verdadeiros policiais do Rio e de todo Brasil", afirmou. Ecko chegou de madrugada na casa da sua mulher,  na Comunidade das Três Pontes, no bairro de Paciência, zona oeste do Rio, para comemorar o Dia dos Namorados. A residência foi, então, cercada por policiais, que haviam passado a madrugada escondidos à sua espera. 

O miliciano morreu a caminho do Hospital Miguel Couto, na zona sul da cidade. Ele recebeu um segundo tiro dentro de uma van da polícia, porque teria tentado pegar a pistola de uma policial. 

Assim como Flávio Bolsonaro, o secretário da Polícia Civil, Allan Turnowski, enfatizou que o grupo de policiais civis responsáveis pela operação "é do bem", durante coletiva de imprensa, pela manhã, para detalhar a operação. 

"Vocês policiais civis recuperaram junto comigo o sentimento de pertencimento, de orgulho de ser policial civil. Hoje, a gente está sendo aplaudido por uma sociedade que sabe do lado que a gente está: do lado do bem", disse o secretário dirigindo-se à equipe.

Na casa onde o miliciano foi preso, foi encontrado um fuzil e um colete com a inscrição 'Capitão Braga', sobrenome do miliciano. O diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE), Felipe Curi, informou ter conhecimento de policiais envolvidos com o "Bonde do Ecko". "Já temos alguns policiais identificados. Temos muitas provas contra essas pessoas, que serão presas", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.