Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Forças de segurança fazem operações; 20 são presos na região central

Traficantes envolvidos na invasão da Rocinha são procurados no São Carlos; no Lins, PMs buscam suspeitos pela morte de PM

Bibiana Borba e Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2017 | 06h22
Atualizado 27 Outubro 2017 | 15h46

RIO - As forças de segurança do Rio de Janeiro realizam duas operações nesta sexta-feira, 27, em comunidades do centro e da zona norte da capital fluminense. A maior delas, em busca de traficantes envolvidos na invasão da Rocinha, começou por volta das 3h30 nos Morros do São Carlos, Zinco, Querosene e Mineira, na área central, e resultou em 20 prisões e seis veículos recuperados. As Forças Armadas, Força Nacional de Segurança e Polícia Federal participam da ação, em apoio às Polícias Civil e Militar.

+++ Mulher de Nem, Xerifa da Rocinha é presa na Ilha do Governador

Um dos procurados, Leonardo Miranda da Silva, o "Léo Empada", é apontado como chefe do tráfico no Complexo do São Carlos e um dos líderes da invasão da Rocinha, a mando da facção Amigos dos Amigos (ADA). Houve tiroteio no momento da chegada das tropas, que teria começado com disparos de criminosos.

+++ Campeão mundial em 1998 solta o verbo contra Neymar: 'insuportável, egoísta'

A Secretaria de Segurança Pública do Estado (Seseg) informou que as Forças Armadas fizeram o cerco das comunidades. Houve bloqueios de várias ruas na região do Estácio e helicópteros sobrevoaram a área. O espaço aéreo foi controlado, mas não houve interferência nas operações dos aeroportos.

Segundo a pasta, a operação "também ajudou a levantar diversas informações, que o setor de inteligência já estava mapeando". Houve tiroteio no momento da chegada das tropas, que teria começado com disparos de criminosos.

Morte de comandante

Já no Complexo do Lins, na zona norte do Rio, uma operação das polícias Militar e Civil continua as buscas aos responsáveis pelo assassinato do tenente-coronel Luis Gustavo Teixeira, comandante do 3º BPM, em uma tentativa de arrastão nesta quinta-feira, 26.

A morte do oficial elevou para 111 o número de PMs assassinados em 2017 no Estado. Mais tarde, o número subiu para 112 com a morte do cabo Djalma Pequeno, que tentou impedir um assalto em um shopping center. O comandante-geral da PM, coronel Wolney Dias, afirmou que vai solicitar apoio das Forças Armadas para apoio nas buscas aos criminosos responsáveis.

O número de prisões nas duas operações desta sexta deve ser divulgado até o final do dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.