Diego Reis / Governo do Rio de Janeiro
Diego Reis / Governo do Rio de Janeiro

Forças de segurança do Rio terão coletes capazes de suportar tiros de fuzil

Estado vai adquirir mais de 14 mil coletes balísticos, que são cada vez mais encontrados nas mãos do crime organizado nas favelas e morros da cidade

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2018 | 06h05

RIO - O comando da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro vai adquirir 14.875 coletes balísticos. Capazes de suportar tiros de fuzil, eles são considerados armas de guerra e cada vez mais são encontrados nas mãos do crime organizado nas favelas e morros da cidade, controlados pelo tráfico de drogas.

De acordo com dados da Coordenadoria de Inteligência da Polícia Militar do Rio, entre os dias 1.º de janeiro e 30 de junho deste ano, foram apreendidas 3.806 armas e 157 fuzis no Estado. Neste período, os policiais prenderam 14.060 pessoas e apreenderam 2.750 menores.

A aquisição do equipamento está prevista no Plano Estratégico do Gabinete de Intervenção Federal (GIF). O aviso, com dispensa de licitação em razão da urgência, tem por base uma orientação do Tribunal de Contas da União (TCU). A autorização foi publicada no Diário Oficial da União de quinta-feira, 30.

Reveja: a intervenção no Rio é um copo meio cheio, meio vazio, diz Jungmann

O valor total da contratação, que engloba ainda capas sobressalentes, é de R$ 76.743.550,85. De acordo com o GIF, os novos coletes vão substituir peças que estão no fim da vida útil e suprir deficiência de dotação.

O objetivo é manter ou melhorar as condições de proteção e segurança dos policiais militares, civis e da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap), cujos agentes são responsáveis pela escolta de presos e pela segurança dos presídios, penitenciárias e casas de custódia do Estado. / AGÊNCIA BRASIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.