Garis do Rio entram em greve à 0h desta sexta

Categoria quer aumento de 7,7%, igual ao atual índice de inflação anual, além de 40% de acréscimo no adicional de insalubridade; proposta da prefeitura é de 3%

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

13 Março 2015 | 00h19

RIO - Insatisfeitos com uma proposta de reajuste salarial de 3%, os garis do Rio de Janeiro decretaram greve a partir da 0h desta sexta-feira, 13. A categoria quer aumento de 7,7%, igual ao atual índice de inflação anual, além de 40% de acréscimo no adicional de insalubridade. 

A greve foi decidida durante assembleia da categoria no Sindicato dos Empregados de Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio de Janeiro, que representa os trabalhadores. Quinze mil profissionais

atuam na Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), onde são responsáveis pela coleta e destinação do lixo residencial, comercial e industrial do Rio.

“Como de hábito, o sindicato manterá os canais de comunicação com a prefeitura do Rio e com a Comlurb, na esperança de que uma proposta salarial, sem provocação, possa ser avaliada pela categoria”, afirmou

Antonio Carlos da Silva, vice-presidente do sindicato. Ele classifica a proposta de reajuste como “uma irresponsabilidade e uma provocação, que a categoria e o sindicato respondem com a greve”.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro garis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.