Garoto de 2 anos é baleado em tiroteio em Copacabana

Outras duas pessoas foram atingidas, sendo uma delas uma adolescente de 14 anos; tiroteio aconteceu na favela Pavão-Pavãozinho

Tiago Rogero, O Estado de S.Paulo

03 Janeiro 2015 | 11h55

Três pessoas foram baleadas na noite desta sexta-feira, 2, em tiroteio na favela Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, ocupada desde 2009 por uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Entre os feridos, estão uma adolescente de 14 anos, que levou dois tiros, e um garotinho de 2 anos, ferido por um disparo na perna. Ambos estão internados no Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, e, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, estão fora de perigo. Um homem de 20 anos, entretanto, atingido na cabeça e também está internado na unidade, tem quadro grave. 

De acordo com a PM, policiais da UPP do Pavão faziam patrulhamento por volta de 20h de ontem quando “encontraram bandidos armados que efetuaram disparos contra a guarnição, na região da Avenida Pavãozinho”. Apesar de informar que “os marginais fugiram”, a PM afirmou em nota que, no local onde estava o homem ferido na cabeça, “foi encontrada uma pistola calibre 9mm e munições”.

Ele foi levado por policiais para o Miguel Couto, onde foi operado. A adolescente e o garoto foram encontrados depois e também conduzidos. O menino passou por cirurgia após o tiro que fraturou a perna esquerda e tem condição estável, segundo a secretaria. A adolescente foi atingida duas vezes: na perna, de raspão, e um tiro que fraturou seu pé direito, também operado. Ela também tem quadro estável.

Ainda de acordo com a nota da PM, ontem o policiamento foi reforçado no Pavão-Pavãozinho com militares de outras UPPs e, na manhã deste sábado, o reforço continua. O caso foi encaminhado para a 12ª Delegacia de Polícia Civil, em Copacabana.

Mais conteúdo sobre:
Tiroteio Copacabana

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.