Marcus Schaefer
Marcus Schaefer

Geladeira aparece boiando no Leblon; veja vídeo

Fotógrafo e surfista se deparou com o eletrodoméstico e ajudou a carregá-lo até o calçadão da praia: 'foi surreal'

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

09 de junho de 2017 | 17h37

O fotógrafo e surfista Marcus Schaefer conhece os mares de todo o mundo e já se deparou com todo o tipo de lixo. Mas nesta quinta-feira, 8, foi surpreendido por uma geladeira no mar do Leblon. Com ajuda de amigos, ele carregou o eletrodoméstico até o calçadão da praia. Na manhã desta sexta-feira, 9, garis recolheram a geladeira.

"Já vi muita sujeira, quase diariamente, inclusive lixo hospitalar. Mas uma geladeira foi surreal. E o mais irônico é que isso aconteceu no Dia dos Oceanos", afirmou Marcus. "Aquela geladeira, pesada, cheia de água, poderia até matar alguém. Fomos acompanhando a correnteza levá-la até a areia e de lá a carregamos".

Às vésperas da Olimpíada, o governo do Estado instalou 17 ecobarreiras para impedir que o lixo jogado nos rios chegassem ao mar. O lixo flutuante que passava pelas barreiras era recolhido por barcos.  

"Há muito tempo esse serviço não funciona", afirmou o professor de Oceanografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, David Zee. "O discurso para ganhar Olimpíada foi o meio ambiente. No fim, a gente viu que o legado ambiental foi a última coisa em que pensaram. Achar uma geladeira no mar não é comum, mas é bastante verossímil diante do descaso com a área ambiental".

De acordo com Schaefer, a geladeira apareceu por volta das 15h de quinta-feira e vinha na direção de São Conrado para o Leblon. "A gente não tinha ideia do que fosse, no início. Levamos um susto". Zee acredita que a geladeira possa ter sido lançada do Costão do Vidigal. "A corrente vem da direita para a esquerda. E ali na Favela do Vidigal há um problema sério de escoamento de lixo pelas encostas. É a minha principal suposição".

O Estado procurou a Secretaria de Estado do Ambiente, mas até as 16h30 não obteve resposta sobre o programa de ecobarreiras.

 

Mais conteúdo sobre:
OlimpíadaFavela do Vidigal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.