Golpista da internet é preso em flagrante ao roubar professora

Paulo Barbosa Figueiredo Figueiredo, apelidado de Don Juan da Internet, já tinha roubado R$ 20 mil da mulher

Clarissa Thomé, de O Estado de S. Paulo,

10 de março de 2008 | 18h54

A Polícia de Repressão a Crimes de Informática prendeu nesta segunda-feira, 10, Paulo Roberto Barbosa Figueiredo, de 28 anos, apelidado de Don Juan da Internet. O rapaz especializou-se em dar golpes em mulheres que conhecia em salas virtuais de bate-papo, segundo a polícia. Figueiredo foi preso em flagrante quando sacava mais R$ 1 mil de uma professora de quem já havia levado R$ 20 mil. Figueiredo foi denunciado à polícia pelas amigas da professora, que tem 42 anos, é solteira, e dirige uma creche municipal na Penha, zona norte do Rio. Elas começaram a estranhar o comportamento da amiga, que nos últimos tempos vinha pedindo dinheiro emprestado, além de tomar empréstimo em financeira.  "Ela não é uma pessoa de posses, mas uma trabalhadora, que chegou a entregar todo o salário do mês ao namorado", contou o delegado Antenor Martins. De acordo com Martins, Figueiredo se apresenta como empresário nas salas de bate-papo e pede para conhecer as potenciais vítimas - mulheres na faixa dos 40 anos e solteiras. "Ele é um pilantra. Procura mulheres mais vulneráveis. As convence dizendo que encontrou uma pessoa especial, como sempre havia procurado", contou Martins.  Depois de conquistar a confiança da vítima, Figueiredo alega dificuldades financeiras. Diz que sua empresa foi multada pela Receita Federal e pede ajuda para regularizar a situação da empresa. "A professora reconheceu que estava cega, apaixonada e que não desconfiou de nada. Agora ela está arrasada", contou o delegado. Figueiredo é suspeito de dar o mesmo golpe em outras duas mulheres. Martins pede que vítimas do Don Juan da Internet entrem em contato à DRCI. Até agora, ele confessou apenas o golpe contra a professora, por causa da prisão em flagrante.  Além dos R$ 1 mil que sacava, ele tinha outros R$ 400 e US$ 390 da vítima em seu poder. Ele foi indiciado por estelionato, crime que prevê pena de 1 a 5 anos de prisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.