Governador de MS diz que Cabral terá de "engolir" Beira-Mar

André Puccinelli pretende devolver o criminoso para o Rio de Janeiro o mais cedo possível

João Naves, Estadão

25 Julho 2007 | 23h30

O governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), afirmou nesta quarta-feira, 25, que não quer no Presídio Federal de Campo Grande, o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. Ressaltou que vai devolvê-lo ao seu Estado de origem, o Rio de Janeiro "o mais cedo possível".   Puccinelli soube que também o governador Sérgio Cabral (PMDB), não quer o preso no RJ, e disse como resposta: "Ele não quer, mas vai ter de engoli-lo de volta".   Beira-Mar, chegou nesta quarta, no início da tarde, em avião da Polícia Federal que desceu na Base Aérea de Campo Grande. Ele estava preso no Presídio Federal de Catanduvas, no Paraná, desde o dia 19 de julho de 2006. Por resolução do Conselho da Justiça Federal, a permanência do detento nos presídios federais não pode ultrapassar um ano.   Em Mato Grosso do Sul, Beira-Mar responde a processo por lavagem de dinheiro, e em data ainda não revelada, será ouvido pelo juiz da 3ª Vara Federal de Campo Grande, Odilon de Oliveira, na cidade de Amambaí, divisa com o Paraguai, extremo sul do MS. Um total de 54 testemunhas está arrolado no processo.

Mais conteúdo sobre:
Fernandinho Beira-Mar criminalidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.