Alan Santos/Presidência da República
Alan Santos/Presidência da República

Governo federal apresentará no fim do mês medidas para reforço na segurança do Rio

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional disse que administração deve mostrar 'conceitos de planejamento' no dia 26; 'segurança pública não é compromisso, competência, da União', ponderou

Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2017 | 22h31

BRASÍLIA - Em meio à crise da violência no Rio, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, disse na noite desta quinta-feira, 11, no Palácio do Planalto, que o governo vai apresentar no dia 26 “conceitos de planejamento” de medidas de reforço na segurança pública no Estado. As ações, segundo ele, serão coordenadas por um comitê de “pronta resposta” a eventos críticos, formado pelos Ministérios da Justiça, da Defesa e do Gabinete Institucional. 

Na tarde desta quinta-feira, Etchegoyen e outros cinco ministros discutiram a situação da criminalidade no Rio com o presidente Michel Temer. A reunião não foi conclusiva. O governo estuda repetir, agora, o modelo de atuação conjunta adotado nas Olimpíadas do Rio, no ano passado. Sem dar detalhes de prazo e recursos empregados na implantação das medidas, Etchegoyen ressaltou que as futuras ações farão parte do Plano Nacional de Segurança Pública, lançado pelo governo no começo deste ano.

O pacote anunciado há quatro meses previa três grandes objetivos: a redução do número de homicídios, o combate ao crime de fronteira e a melhoria do sistema penitenciário. “O plano (anunciado em janeiro) lançou as grandes diretrizes. Agora, estamos fazendo as diretrizes acontecerem, com os recursos da União”, afirmou.

Questionado sobre a demora na implantação do plano, o ministro disse que o governo fez o “possível até aqui”. “Quando a gente fala em demora, temos que lembrar que a segurança pública não é compromisso, competência, da União”, disse. “O que a União está fazendo é abraçar o problema, porque o Estado (do Rio) não está conseguindo resolver sozinho”, completou. “As coisas não são, infelizmente, tão simples assim.” 

Em seguida, ele reforçou que o “governo e o presidente entendem que o Rio não consegue resolver sozinho o problema da falta de segurança. Depois, Etchegoyen ressalvou que confiava no trabalho da Secretaria de Segurança Pública do Estado. Ele disse ainda que conversou recentemente com o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, mas também não deu detalhes da discussão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.