Ana Paula Niederauer/Estadão
Ana Paula Niederauer/Estadão

Governo federal vai antecipar segunda parcela da ajuda à saúde no Rio

Total da ajuda é de R$ 152 milhões; de acordo com Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde, pagamento de R$ 76 milhões que estava previsto para janeiro será feito até o final do mês

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2019 | 19h48

RIO DE JANEIRO - O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou no fim da tarde desta quinta-feira, 19, que a segunda parcela da ajuda federal de R$ 152 milhões para a crise da saúde no Rio será antecipada. O pagamento, no valor de R$ 76 milhões, estava previsto para o dia 15 de janeiro, mas será transferido até o fim deste mês.

“Fazendo os esforços, a gente vai antecipar e vai fazer esse repasse ainda neste exercício. Até o dia 28, espero estar com já essa segunda (parcela) depositada”, declarou Mandetta, após encontro com a secretária municipal de Saúde do Rio, Beatriz Busch, e com o secretário estadual, Edmar Santos.

Os recursos fazem parte de uma dívida que a Prefeitura do Rio cobrava do governo federal desde 1995, referentes à municipalização de unidades de saúde. O repasse foi autorizado pelo governo federal no início deste mês como ajuda emergencial para o pagamento de salários dos funcionários terceirizados da saúde, que não recebiam desde outubro. 

No último dia 13, a Justiça determinou à prefeitura do Rio a criação de um gabinete de crise para lidar com o colapso da rede municipal de saúde. A Justiça também já havia determinado o repasse imediato dos valores bloqueados nas contas da Prefeitura para as Organizações Sociais (OSs) que administram hospitais e postos de saúde no Rio.

Nesta quinta-feira, a prefeitura do Rio de Janeiro revogou a decisão que suspendia todos os pagamentos e movimentações financeiras do município. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.