Governo monta showroom de obras do PAC nos morros do Rio

Réplicas das residências ficarão em exposição nos canteiros de obras; cerca de 4.822 casas devem ser removidas

Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo,

12 de março de 2008 | 19h22

O governo anunciou nesta quarta-feira, 12, a construção de showroom nos canteiros de obras com as réplicas dos apartamentos que serão construídos nas comunidades pelo Plano de Aceleração do Crescimento (PAC). Cerca de 4.822 casas devem ser removidas das favelas do Complexo do Alemão, Manguinhos e Rocinha   Veja também: Veja quais são as obras do PAC nos morros do Rio  Veja o balanço do PAC    "Sei da importância da moradia na vida dessas famílias e, por isso, pedi à Empresas de Obras Públicas (Emop) que montasse showrooms, a fim de que todos possam conhecer a nova casa", declarou o vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão.   A mudança para uma unidade dos prédios que serão construídos pelo PAC é um das opções de moradia das famílias que serão removidas. Elas podem optar pelo aluguel pego pelo governo de uma casa na comunidade ou por uma indenização. Um cadastramento dos moradores das favelas deverá acontecer em 30 dias.   O vice-governador afirmou que outra preocupação é a recuperação econômica dos arredores das favelas que foram esvaziados pela violência nas comunidades.   Na última sexta-feira, 7, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva inaugurou as obras do PAC nas três favelas. Na ocasião, o presidente criticou a violência das ações policiais nas comunidades pobres e apresentou a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, como "a mãe do PAC".   A área cercada pelo Complexo do Alemão, na Zona Norte, é conhecida como "cemitério de indústrias" devido ao grande números de fábricas que deixaram o local, como a Coca-Cola e a Poesy. "O que estamos fazendo é mais do que abrir ruas, mas planejar o desenvolvimento sustentável da região", disse Pezão.   Cerca de 180 homens da Forrça Nacional devem reforçar o efetivo que patrulha os acessos ao conjunto de favelas.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.