Estadão
Estadão

Grande Rio registra mais de 150 mortes por arma de fogo desde o início do ano

Duas pessoas morreram baleadas desde a última sexta-feira, 23

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2020 | 13h40

RIO - Pelo menos 150 pessoas morreram na região metropolitana do Rio desde o início do ano baleadas por arma de fogo. Os dados são da plataforma Fogo Cruzado, que registra ainda que em 38 ocasiões pelo menos três civis acabaram mortos em uma mesma ação.

Desde a madrugada de sexta-feira, 23, duas pessoas morreram baleadas. O ambulante Douglas Deividson Bellot, de 36 anos, foi atingido por disparos de fuzil quando voltava para casa na favela do Bateau Mouche, na Praça Seca, zona oeste do Rio. A área é dominada por milicianos.

No início da mesma madrugada, Ladyanne Paulina, de 34 anos, foi morta após ser atingida na cabeça por uma bala perdida. Ela e a namorada fechavam o trailer em que trabalhavam, no Catumbi, zona norte, quando ficaram na linha de tiro druante perseguição policial pela rua Frei Caneca.

Os casos são investigados pela Delegacia de Homicídios. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.