WILTON JUNIOR/ESTADÃO
WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Grupo protesta contra atraso na liberação de corpo de jovem morto

Cinco jovens foram assassinados por PMs na zona norte do Rio

Márcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

30 Novembro 2015 | 19h33

RIO - O atraso na liberação pelo Instituto Médico-Legal (IML) do corpo de Cleiton Correa de Souza, de 18 anos, um dos cinco jovens mortos por PMs na noite de sábado, em Costa Barros, zona norte do Rio, provocou protestos no fim da tarde desta segunda-feira.

Um grupo invadiu a pista em frente ao cemitério de Irajá e interrompeu o trânsito por alguns minutos. Souza é o único dos rapazes assassinados que ainda não foi enterrado.

"Eles botam tanta burocracia, acham que a nossa dor é pouca. Faltava um carimbo. Tem que ter tempo para enterrar hoje, eu não quero saber de onde eles vão tirar tempo", disse Monica Aparecida Santana Corrêa, mãe de Souza, que demonstrava revolta.

Na noite de sábado, 28, quatro policiais militares foram presos pela morte de cinco jovens, que ocupavam um Palio branco em um dos acessos ao Morro da Lagartixa, em Costa Barros, na zona norte. O veículo foi alvejado mais de 50 vezes. Os rapazes haviam saído para comemorar o primeiro salário recebido por um deles, Roberto de Souza Penha, de 16 anos.

Mais conteúdo sobre:
IMLSouza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.