Acusado de esquartejar namorada é preso na Baixada Fluminense

Técnico em refrigeração diz ter matado namorada em briga; dois dias depois, esquartejou e jogou o corpo na caixa d'água da casa

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

06 de julho de 2015 | 23h17

RIO - Agentes da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense prenderam neste domingo, 5, o técnico em refrigeração Geovane Breia, de 25 anos, acusado de matar e esquartejar a namorada, em Paracambi, na Baixada Fluminense. Breia confessou o crime e disse que matou a namorada numa briga por ciúmes. Ele teve a prisão temporária decretada pela Justiça.

Breia disse que, no dia 30 de junho, estava na casa da namorada, Andreia Oliveira Pinto, de 37 anos, que se identificava como professora de cursos a distância da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, em seu perfil no Facebook.

Segundo o técnico de refrigeração, ele desferiu um soco na namorada durante uma briga e ela teria morrido em decorrência desta agressão. Dois dias depois, decidiu cortar o corpo da namorada em três pedaços e jogar na caixa d'água da casa.

Breia atendia aos telefonemas de parentes de Andreia, que procuravam por ela, e respondia as mensagens como se fosse a namorada. Uma pessoa da família desconfiou e foi até a casa dela. Achou o corpo por causa do mau cheiro que exalava da caixa d'água. O técnico de refrigeração foi preso em São Gonçalo, no Grande Rio, na tarde de domingo.

De acordo com o delegado Evaristo Pontes Magalhães, Breia não demonstrou arrependimento. Ele disse que decidiu esquartejar a namorada porque não sabia o que fazer com o corpo. O casal estava junto havia dois meses. Na véspera do crime, Breia escreveu no Facebook: "Andreia Oliveira, tomo (sic) junto".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.