Governo do Rio de Janeiro/Divulgação
Governo do Rio de Janeiro/Divulgação

Homem que matou delegada é encontrado morto em presídio

Alessandro Oliveira Furtado confessou o assassinato de sua mulher, Tatiene Damaris Sobrinho Damasceno, em outubro do ano passado

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

08 de junho de 2015 | 12h32

RIO - Preso em outubro do ano passado, Alessandro Oliveira Furtado foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira, 8, sozinho em sua cela na Penitenciária Bandeira Stampa, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro. Furtado era assassino confesso da própria mulher, a delegada Tatiene Damaris Sobrinho Damasceno Furtado. 

Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), o corpo dele tinha cortes no pescoço. A secretaria abrirá uma sindicância interna para investigar o caso, que será encaminhado para a delegacia de Bangu. Furtado era estudante de Direito antes de ser preso e tinha 40 anos.

Tatiene, morta aos 39 anos, era delegada-substituta da delegacia do bairro de Santa Cruz. Tinha dois filhos, um de 15 e um de 2. Ela foi asfixiada pelo marido, interessado em receber o seguro de vida dela, em seu nome. Ele usou um travesseiro para sufocá-la. O corpo de Tatiene foi achado no chão da cozinha da casa do casal e ele logo confessou o crime.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaRio de JaneiroBangu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.