Homem que matou dona do Guimas é pardo, tem cerca de 30 anos e usa bigode, diz polícia

Nesta sexta-feira, 18, Disque-Denúncia recebeu três ligações com informações sobre o assassinato da sócia do restaurante Guimas

Thaise Constancio, O Estado de S. Paulo

18 de julho de 2014 | 19h34

RIO - A Polícia Civil do Rio já tem informações sobre o homem que assassinou a empresária Maria Cristina Mascarenhas, de 66 anos, na quinta-feira, 17, na Praça Santos Dumont, na Gávea (zona sul). Ele é pardo, aparenta ter 30 anos, mede 1,70 metro e usava bigode. Nesta sexta-feira, 18, o Disque-Denúncia recebeu três ligações com informações sobre o assassinato da sócia do restaurante Guimas.

O corpo de Maria Cristina foi cremado no Cemitério Memorial do Carmo, no Caju, na região central. Tintim, como era conhecida, levou um tiro à queima-roupa na cabeça, após resistir a um assalto. Ela levava R$ 13 mil para pagar funcionários. De acordo com amigos que compareceram ao velório, ela não costumava fazer esse tipo de ação.

Sem capacete, o criminoso desceu da carona de uma moto para cometer o crime e depois fugiu com o comparsa. O delegado titular da Divisão de Homicídios, Rivaldo Barbosa, analisa as imagens das câmeras de segurança dos restaurantes e do prédio em frente ao local do assassinato. O carregador da pistola usada pelo bandido caiu no chão durante o assalto e foi recolhido pelos agentes.

Uma das linhas de investigação da polícia é de que Tintim foi vítima do crime conhecido como “saidinha de banco”, que entre janeiro e maio deste ano fez 557 vítimas no Estado, de acordo com o Instituto de Segurança Pública (ISP).

Segundo a assessoria de imprensa do Disque-Denúncia, analistas do órgão farão “cruzamentos de dados sobre crimes semelhantes ocorridos naquela localidade, a fim de identificar um padrão ou pessoas envolvidas nessa modalidade de crime”. As informações serão repassadas para o delegado.

O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) chamou os criminosos de “facínoras” e garantiu que todo o efetivo policial está mobilizado para prender os bandidos e solucionar o caso. “Se depender de mim eles vão apodrecer no presídio.”

Velório. Cerca de 300 pessoas compareceram ao Cemitério Memorial do Carmo para prestar a última homenagem à Tintim. As cantoras Adriana Calcanhotto e Marisa Monte, o ator Otávio Müller e a presidente da Sociedade Viva Cazuza, Lucinha Araújo, estiveram no local, mas preferiram não falar com a imprensa.

Amigo de infância da empresária, o deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) contou que sua filha também tem o apelido de Tintim, por causa de Maria Cristina. “O Chico (Chico Mascarenhas, viúvo da empresária) ainda falou (enquanto se cumprimentavam no velório): ‘Agora só temos uma Tintim’. Eu respondi que ela era insubstituível.” Eles estiveram juntos há pouco mais de um mês, no Guimas. “Foi uma covardia. Se já tinha o produto do roubo, não havia porque executá-la. Eles devem ser punidos exemplarmente”, afirmou Itagiba que foi secretário estadual de Segurança Pública, entre 2004 e 2006.

Também deputado federal Miro Teixeira (PROS-RJ) contou que conheceu Tintim e Chico Mascarenhas “há décadas” por meio do casal João e Lucinha Araújo, amigos em comum. Para ele, “esse fato vai deixar uma reflexão, além do lamento, do pesar, de que o crime é um negócio rentável, ilegal e que tem que ser combatido com a força do Estado, não com violência”. “O Estado é o culpado dessa situação que dá ao criminoso uma sensação tamanha de impunidade para que, em plena luz do dia, ele dê um tiro na cabeça de uma trabalhadora”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.