'Hulk 2' começa a ser filmado em favela pacificada pelo Bope

Segundo moradores, astros de Hollywood estiveram na comunidade filmando cenas dentro de barracos e becos

Pedro Dantas, do Estadão,

06 de novembro de 2007 | 19h19

Começaram nesta terça-feira, 6, na Favela Tavares Bastos, no Catete (zona sul do Rio), as filmagens da superprodução internacional O Incrível Hulk 2. De acordo com o relato de moradores, os astros Edward Norton e Willian Hurt estiveram na comunidade filmando cenas dentro de barracos e becos. A imprensa foi mantida afastada dos locais de filmagem pela produção. A movimentação de técnicos estrangeiros atraiu a atenção de soldados do Batalhão de Operações Especiais (Bope), localizado no topo do morro. Apesar de celebrarem a escolha da favela como locação, alguns moradores reclamaram dos valores pagos pelos barracos usados pela equipe técnica do filme como locação. As filmagens no Rio vão durar 10 dias e ainda incluem cenas nos Arcos da Lapa, na Praia de Ipanema e no bairro de Santa Teresa. Desde que foi descoberta como cenário sem riscos reais para produções cinematográficas, a favela tem uma agenda apertada de gravações. Ela já serviu de locação para o filmes 174, Orfeu e para a novela da Rede Record Vidas Opostas. Com o gigante esmeralda, como é conhecido o herói, a Tavares Bastos entrará na rota das produções internacionais. Na trama, o melancólico cientista David Banner (Norton) busca a cura para a mutação que o transforma em Hulk no Brasil. O sigilo é total. Todos os envolvidos assinaram um contrato que obriga a guardar segredo sobre o enredo. No entanto, uma seqüência é aguardada com ansiedade: uma fuga de Hulk sobre os telhados dos barracos. A produção reforçou as lajes e pagou R$ 100 a cada morador que cedeu a casa. Um barraco cinematográfico foi construído e a parafernália montada na favela deve garantir explosões e efeitos pirotécnicos do filme, conforme apostam os moradores enquanto assistem à movimentação dos técnicos.

Tudo o que sabemos sobre:
Hulk

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.