Tomaz Silva / Agência Brasil
Tomaz Silva / Agência Brasil

Idosa é roubada, dopada e morta por quadrilha, diz Polícia do Rio

Vítima tinha R$ 5 milhões no banco; quadrilha movimentou quase R$ 1 milhão em apenas um dia

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2022 | 20h42

RIO - Uma idosa de 79 anos que morava sozinha no Rio de Janeiro e tinha R$ 5 milhões no banco foi dopada e mantida em cárcere privado por uma quadrilha que roubou parte de seu dinheiro. Por conta dos remédios, a mulher acabou morrendo, e foi enterrada com um nome falso. O caso é investigado pela Polícia Civil do Rio, que já identificou quatro acusados pelo crime. Eles devem responder por extorsão com resultado morte, e podem ser punidos com até 30 anos de prisão. O caso foi revelado neste domingo, 15, pelo “Fantástico”, da TV Globo.

Segundo a Polícia Civil, a professora aposentada Sônia Maria Pilar da Costa morava sozinha numa casa de Vila Isabel (zona norte do Rio) e era dona de 20 imóveis naquela região, além de ser herdeira de uma quinta (propriedade rural) em Portugal – sua família é portuguesa. Ela tinha pelo menos R$ 5 milhões aplicados em bancos, além do dinheiro guardado em um cofre, em casa. Saudável e de rotina simples, ela própria negociava e recebia os aluguéis diretamente de seus inquilinos, com quem mantinha relacionamento formal – não costumava estabelecer laços de amizade com eles.

Em 2020, uma nova inquilina – Danielle Esteves de Pinho - ocupou um dos imóveis de Sônia e estabeleceu amizade mais estreita com ela. Depois disso, enquanto conversava com dois inquilinos sobre a renovação dos respectivos contratos de aluguel, a proprietária desmaiou. Quando a ambulância chegou para levá-la ao hospital, Danielle também apareceu, para saber o que havia ocorrido. No hospital, o médico avaliou que Sônia estava bem de saúde, apenas desorientada.

Em outubro de 2020, Sônia desapareceu de casa, sem dar notícias a nenhum dos inquilinos. No mês seguinte, os inquilinos receberam uma carta do escritório de advocacia Soares de Andrade Advogados Associados informando que, a partir daquela data, os aluguéis deveriam ser pagos ao advogado José Pinto Soares de Andrade. Os inquilinos estranharam a situação e denunciaram o desaparecimento de Sônia à Delegacia de Descoberta de Paradeiros da Polícia Civil, que então começou a investigar o caso.

Segundo os policiais, desde que se tornara inquilina de Sônia, Danielle começou a dopá-la com remédios. A proprietária foi levada várias vezes ao banco por Andrea da Silva Cristina e Diana Regina dos Santos Simões e movimentou cerca de R$ 800 mil – numa única operação, foram transferidos R$ 430 mil para a conta de Andrea. Segundo a polícia, o advogado Soares de Andrade recebeu outros R$ 200 mil, usados para comprar um carro conversível.

A idosa foi levada de casa para um apartamento em Copacabana, onde teria sido mantida dopada, em cárcere privado. Mas os remédios acabaram provocando a morte de Sônia, resultado não planejado pela quadrilha.

Os criminosos conseguiram enterrar o corpo da idosa com identidade falsa – como Aspásia Gomes, suposta moradora da rua Regente, no centro do Rio – no cemitério do Caju, na zona norte do Rio. O corpo foi exumado e só foi identificado por conta de uma cirurgia ortopédica rara a que Sônia havia sido submetida.

A inquilina Danielle, o advogado Andrade e Andrea foram presos, mas Danielle conseguiu suspender a ordem de prisão. Ao “Fantástico”, a defesa de Danielle afirmou que ela é inocente e confia na Justiça. A defesa de Andrade afirmou que a acusação atribuída ao seu cliente é “infundada” e que a inocência dele será “esclarecida”. As defesas de Andrea e da quarta mulher acusada (Diana Regina dos Santos Simões, que está sendo procurada pela polícia para prestar depoimento) não foram localizadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.