Imagens mostram ação de policiais antes de morte de menor no Rio

Outro rapaz conseguiu escapar; PMs foram denunciados por homicídio e ocultação de cadáver

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

21 de julho de 2014 | 23h26

RIO - Gravações de duas câmeras instaladas em uma viatura da Polícia Militar do Rio registram a conversa entre os cabos da PM Fábio Magalhães Ferreira, de 35 anos, e Vinícius Lima Vieira, de 32, no momento em que os policiais detiveram três rapazes no centro do Rio, na manhã de 11 de junho. Todos foram levados para um matagal no alto do Morro do Sumaré, na zona norte do Rio. Um deles, de 14 anos, sumiu naquele dia e foi encontrado morto seis dias depois.

Outro rapaz foi alvo de tiros, mas sobreviveu após fingir ter morrido. O terceiro, que fora detido apenas por observar o momento em que os outros dois eram perseguidos, foi libertado pelos PMs sob ameaça de morrer caso denunciasse o caso.

A história só foi descoberta porque o segundo adolescente, mesmo ferido nas costas e na perna, voltou para casa, no Complexo da Maré, na zona norte, e narrou o episódio ao pai. Segundo ele, os dois foram baleados e lançados do alto do morro. O homem fez a denúncia à Corregedoria da Polícia Militar. O GPS comprovou que os policiais foram ao morro, enquanto as gravações das câmeras mostraram a conversa entre os policiais, que já foram denunciados por homicídio e ocultação de cadáver.

As câmeras registraram imagens e conversas dos policiais enquanto levavam as vítimas ao morro, exibidas no domingo pelo Fantástico, da TV Globo. Mas não mostram quando eles teriam atirado. Segundo a Secretaria de Segurança, as câmeras não funcionam com o veículo desligado. O advogado dos PMs não foi localizado nesta segunda-feira pela reportagem. Em 19 de junho, Marcelo Bruner, então representante dos policiais, afirmou que eles negam o crime.

Mais conteúdo sobre:
Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.