Incêndio atinge Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Não há inforamções de feridos ou das causas do acidente; aulas devem ser suspensas na segunda-feira

Alberto Komatsu, do Estadão,

30 Setembro 2007 | 16h21

Um incêndio atingiu na tarde deste domingo, 30, seis andares do prédio da reitoria e sub-reitoria da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), no bairro do Maracanã, zona norte do Rio. Não houve vítimas nem feridos e a causa do incêndio ainda será analisada. O campus da Uerj permanecerá interditado na segunda-feira para os trabalhos da perícia e para um levantamento dos prejuízos causados. O anúncio de que o incêndio estava sob controle só foi feito em torno de 17 horas. Cerca de 60 homens de seis quartéis do Corpo de Bombeiros trabalharam para controlar o fogo, que começou por volta das 14h30. O segundo andar do prédio atingido pelo fogo foi destruído totalmente, informou o Corpo de Bombeiros. O terceiro andar teve destruição parcial. Também foram encontrados princípios de incêndio no quinto, sexto, nono e décimo primeiro andares. Ao todo, são 12 andares. Segundo o major Carlos Correia, que comandou a operação de combate ao fogo e rescaldo do prédio, o calor se propagou pelo duto de ar e havia muito material de fácil combustão. "No passado recente tivemos um incêndio criminoso, constatado pelo Instituto Carlos Éboli. Parece que aqui não é o caso. Descarto essa possibilidade. Pode ter sido falha de manutenção ou problema elétrico", afirmou o reitor da Uerj, Nival Nunes de Almeida, referindo-se a um incêndio ocorrido há um ano.   Segundo ele, a universidade deveria receber R$ 5,5 milhões por mês para custear despesas do dia-a-dia, mas a verba mensal é de R$ 3,5 milhões. "Há cinco anos não fazemos investimento no campus", acrescenta. Um grupo de estudantes (pelo menos mil alunos, segundo o diretório acadêmico e cerca de 100, conforme relato de participantes) participava de um encontro nacional de Direito no momento em que o fogo começou, mas eles estavam num teatro que fica distante do prédio atingido. Segundo relatos de alguns universitários, a luz foi cortada por causa do fogo e o evento foi interrompido. A aluna do sétimo período de Física da Uerj, Luciana Milesi, de 22 anos, afirma ter ouvido de seguranças que o incêndio teria começado durante uma obra que estava sendo realizada no prédio atingido pelo fogo. Segundo ela, uma faísca de uma solda teria caído em cima de um monte de papel.   O prefeito do campus da Uerj, Jorge Valério, confirmou que a obra estava sendo realizada, mas afirmou que não tinha como relacionar a obra com o incêndio. O estudante Guilherme Pimentel, de 23 anos, cursando o oitavo período de Direito, disse que muitas saídas de emergência com portas corta-fogo ficam trancadas na Uerj, o que, segundo ele, poderia causar uma tragédia se o incêndio tivesse ocorrido em um dia de aula normal.   O reitor da Uerj confirma que algumas portas ficam trancadas por receio de furto de material em alguns laboratórios e salas.   Matéria ampliada às 18h40.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.