Investigador é seqüestrado e resgatado pela PM em favela do RJ

Perdido, policial civil de Teresópolis entra em favela do Rio e é rendido por traficantes na Favela 950, no Caju

Ricardo Valota, do estadao.com.br,

27 de novembro de 2007 | 08h36

O policial civil Marcus Barp de Almeida, de 30 anos, foi resgatado por policiais militares depois de ser seqüestrado por traficantes da Favela 950, no Caju, na aérea portuária do Rio de Janeiro. O resgate foi feito na noite da segunda-feira, 26, depois de ser rendido por um grupo de dez homens. Barp trabalha em Teresópolis, na região serrana do Rio e foi a passeio para a capital fluminense. Perdido, acabou entrando na Rua Carlos Seidel, no Caju, onde parou o carro em frente a um bar para pedir informações. Parado em frente ao local, dez homens, armados de fuzis e pistolas, ocupando dois carros e uma moto, renderam Marcus e, ao revistarem o policial, descobriram sua carteira funcional e sua arma, uma pistola. A vítima acabou sendo algemada, colocada no porta-malas do próprio carro e levada para a favela.Policiais militares do Posto de Policiamento Comunitário do Caju foram alertados por testemunhas e, em um veículo particular, chegaram à favela, onde trocaram tiros com um grupo suspeito de ser o mesmo que havia seqüestrado o policial. Foram mais de 3 minutos de tiroteio, até que o veículo onde o investigador estava foi abandonado em uma das ruas da favela. Ao encontrarem o carro e se aproximarem dele, os PMs ouviram uma voz que parecia vir do porta-malas; era Marcus gritando por ajuda. Ao ser retirado do carro, o investigador ainda estava algemado, mas saiu ileso. Nenhum bandido foi preso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.