Reprodução/ Twitter/ @PCERJ
Reprodução/ Twitter/ @PCERJ

Investigadores identificam homem suspeito de enviar fuzis apreendidos no Rio, diz 'RJ TV'

Frederik Barbieri seria integrante de uma quadrilha de tráfico internacional de armas

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2017 | 10h33

RIO - O brasileiro Frederik Barbieri foi identificado por investigadores como o responsável por enviar 60 fuzis de Miami, nos Estados Unidos, para o Rio, segundo informações do "RJ TV", da TV Globo. Ele seria integrante de uma quadrilha de tráfico internacional de armas. A carga foi apreendida  no terminal de cargas do aeroporto do Galeão, na Ilha do Governador, na zona norte do Rio, na última quinta-feira, 1.

Barbieri é procurado pela polícia do Rio desde 2009, segundo o jornal. Procurada, a Polícia Civil não confirma as informações. Em entrevista ao "RJ TV", o delegado Maurício Mendonça afirmou que está sendo feita uma busca para identificar o primeiro comprador da arma.

"(Queremos localizar) Quem foi que teve o primeiro contato com essa arma de fogo pra nós construirmos a cadeia até a chegada dela aqui no Brasil", disse. Segundo o "RJ TV", o advogado de Frederik Barbieri foi ontem à delegacia e disse que precisa analisar o inquérito antes de se manifestar.

No termo de apreensão da Receita Federal constam os nomes das empresa LBSN Gestão Corporativa Comercial Limitada e Unio Comércio Importação e Exportação Limitada, como responsáveis pela carga.

Quatro homens foram presos preventivamente por suposto envolvimento no caso. O despachante Márcio Pereira seria responsável pelos trâmites de liberação da mercadoria no aeroporto. Ele foi preso em sua casa, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio. Luciano de Andrade Faria, dono de uma transportadora, seria o  responsável por levar as armas do aeroporto até um galpão. 

Outros envolvidos são João Vítor da Silva Rosa e José Carlos dos Santos Lins, cujas funções seriam revender as armas e entregá-las aos compradores. Acusados de tráfico internacional de armas, todos  estarão sujeitos a penas de 4 a 8 anos de prisão, caso sejam condenados. Conforme os investigadores, a quadrilha atendia todas as facções criminosas.

Segundo a polícia, cada arma vale R$ 70 mil - a carga total chega a R$ 4,2 milhões e representa a maior apreensão em pelo menos dez anos. Novas, mas com numeração raspada para dificultar o rastreamento, as armas chegaram de Miami, em dois voos. Estavam escondidas no interior falso de aquecedores para piscinas, dentro de um contêiner. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.