Isaías do Borel é preso de novo por tráfico

Conhecido por liderar a facção criminosa Comando Vermelho no início dos anos de 1980, traficante é preso no Morro do Borel

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

07 Novembro 2015 | 15h58

RIO - Um dos principais líderes da facção criminosa Comando Vermelho nos anos de 1980, Isaías da Costa Rodrigues, o Isaías do Borel, de 58 anos, foi preso no final da manhã deste sábado, dia 7, no morro do Borel, zona norte do Rio, por policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) local. Ele é acusado de liderar o tráfico na região.

Isaías estava livre desde 2012, quando encerrou o cumprimento de 22 anos de prisão, cinco deles em presídios federais. Segundo a Polícia Civil, o acusado carregava duas pistolas calibre 40, uma pistola calibre 9 mm, oito carregadores, quatro radiotransmissores e celulares.

Os PMs da UPP e do Grupamento Tático de Polícia de Proximidade faziam patrulhamento na Praça da Bíblia quando detiveram quatro adultos e um adolescente. Além de Isaías foram presos Severino Cícero de Lima e Natanael Ramos de Oliveira Filho, ambos de 29 anos, e Fernando Maurício Fernandes, de 40. A quadrilha tentou resistir à prisão e iniciou tiroteio com os policiais, mas não conseguiu fugir. O Setor de Inteligência da UPP afirma que o grupo comanda o tráfico na região.

Carreira. Isaías do Borel começou a praticar crimes em 1981, quando assaltava mansões no Alto da Boa Vista, bairro nobre da zona norte do Rio. Em 1983 assumiu o comando de uma quadrilha de traficantes no Morro do Borel e chegou a liderar quase 200 criminosos. Condenado por tráfico de drogas e homicídio, ficou inicialmente no presídio de Bangu, na zona oeste do Rio, de onde teria continuado comandando sua quadrilha. 

Em dezembro de 2006 Isaías foi acusado de ordenar uma série de ataques nas ruas do Rio. Por isso, em 2007 acabou transferido para o presídio federal de Catanduvas-PR. Depois foi para outra penitenciária federal, em Porto Velho-RO, onde cumpriu pena até 2012.

 

Mais conteúdo sobre:
Tráfico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.