Jogador suspeito de envolvimento com milícia depõe no Rio

Na saída da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado, o volante Luiz Antônio, do Flamengo, negou crime

Ronald Lincoln Jr, O Estado de S. Paulo

14 Agosto 2014 | 19h16

RIO - O volante Luiz Antônio prestou depoimento por quase duas horas, na tarde desta quinta-feira, 14, na Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (DRACO), para tentar esclarecer sua suposta ligação com grupos de milicianos que atuam na zona oeste do Rio. Na saída do local, o jogador do Flamengo negou ter relação com milícias.

De acordo com a Polícia Civil do Rio, Luiz Antônio teria presenteado um dos chefes da milícia denominada de "Liga da Justiça" com um carro de luxo. E, em seguida, o pai do jogador, chamado Luiz Carlos Soares, prestou queixa de roubo do mesmo veículo. As investigações apontam que teria sido uma tentativa de aplicar o "golpe do seguro".

“É chato que a gente está sendo acusado por uma coisa que a gente não fez”, disse Luiz Antônio, ao deixar a delegacia após prestar depoimento. “Não dei o carro, estava viajando e roubaram com meu pai. Então, eu acionei o seguro”, contou o volante do Flamengo, desmentindo também a acusação de que frequentaria festas dos milicianos.

O depoimento de Luiz Antônio foi um passo importante para a conclusão das investigações, de acordo com o delegado responsável pelo caso, Alexandre Capote, titular da DRACO. Contudo, o delegado afirmou que ainda precisa aguardar o depoimento do pai do jogador, Luiz Carlos Soares, para decidir se vai indiciá-los ou não. 

Luiz Carlos Soares também era esperado para prestar esclarecimentos nesta quinta-feira, mas não compareceu. “O depoimento do pai também é de extrema relevância para que possamos, em 30 dias, encerrar as investigações”, afirmou o delegado. “Infelizmente ele não se apresentou. Aguardamos a sua presença amanhã. Caso não se apresente, poderemos fazer o uso de procedimentos que o levem a ser conduzido para a delegacia coercitivamente”, alertou.

Luiz Antônio está sem treinar desde o começo da semana e não quis dizer, ao deixar a delegacia na tarde desta quinta, quando voltará ao trabalho. Mas ele será desfalque no jogo com o Coritiba, no domingo, fora de casa, pelo Brasileirão. O Flamengo já informou que só vai se pronunciar sobre o caso após a conclusão das investigações.

Mais conteúdo sobre:
Rio de JaneiroFlamengomilícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.