Wilton Júnior / Estadão
Wilton Júnior / Estadão

Jogador suspeito de estupro foi preso enquanto concedia entrevista

Lucas Perdomo conversava com advogado quando policiais chegaram e anunciaram a detenção; advogado nega crime

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2016 | 21h07

RIO - Suspeito de envolvimento no estupro da adolescente no Morro da Barão, o jogador de futebol Lucas Perdomo Duarte Santos, de 20 anos, foi preso na tarde desta segunda-feira, 30, quando se preparava para dar entrevista coletiva em restaurante no Centro do Rio. A vítima desse à polícia que foi à favela encontrar Perdomo, com quem manteve relacionamento amoroso.

Vestido com camiseta azul, bermuda preta e chinelo branco, o jogador conversava com o advogado quando dois policiais o abordaram. Perdomo não reagiu. Deixou o restaurante com um policial o segurando por trás, pela bermuda, mas não foi algemado.

O advogado Eduardo Antunes disse que o cliente se entregaria à polícia e voltou a negar envolvimento no crime. “A gente sabe que ele está falando a verdade, vou estudar o pedido de prisão para apresentar as medidas cabíveis”, afirmou. O advogado analisa se pedirá habeas corpus ou revogação da prisão, já que o crime de  estupro de vulnerável é inafiançável, ou seja, o suspeito não pode ser solto mediante pagamento de fiança. 

Conhecido como Luquinhas, o suspeito joga no Boavista, time de Saquarema, cidade na Região dos Lagos. Antunes reiterou a versão do cliente na madrugada de 21 de maio, um sábado. A jovem disse em depoimento à polícia que foi ao encontro de Perdomo na favela e que só se lembra de ter acordado no dia seguinte, domingo, em uma casa desconhecida, cercada de homens armados que a estupraram. O advogado sustenta que o jogador, naquela noite, teve relações com outra garota e que o amigo Raí de Souza ficou com a jovem que diz ter sido estuprada.

Segundo o jogador, a jovem não quis acompanhá-los quando foram embora e ficou na casa. Perdomo diz não saber o que aconteceu depois.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.