Jovem esfaqueado usa redes sociais para se manifestar contra violência

O estudante Pedro Arthur Britto Santa Cruz, de 18 anos, foi atingido no braço dentro de um trem da SuperVia no último dia 30

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

05 de junho de 2015 | 10h48

RIO – O estudante Pedro Arthur Britto Santa Cruz, de 18 anos, esfaqueado no braço dentro de um trem da SuperVia no último dia 30, vem utilizando a internet desde que recebeu alta médica, no dia 2, para se manifestar sobre a violência sofrida e desabafar sobre o trauma. Na última quarta-feira, dia 3 de junho, ele escreveu em seu perfil no Facebook que sente compaixão de Michael Douglas Gonçalves da Silva, de 19 anos, suspeito de tê-lo esfaqueado que está preso desde terça-feira.

 

“Sobre ele (Silva), apenas sinto compaixão, afinal de contas, é apenas um ano mais velho e não tem, nem teve, minhas oportunidades e perspectivas”, disse Pedro. No mesmo texto, ele explicou que o suspeito se aproximou dele no trem “como um amigo” e que não percebeu o exato momento em que foi esfaqueado. “De qualquer forma, estou mais preocupado como vou fazer pra amarrar meu cadarço sozinho, etc, com esse braço de homem de pedra”, brincou. O texto foi compartilhado 221 vezes. 

 

Já nesta sexta-feira, 5, ele agradeceu aos amigos “pela força” e contou que seu emocional está como “uma montanha-russa”. “Tem horas que estou bem, na medida do possível. Outras, que chorar é inevitável. E vovó ainda disse que eu devia chorar mais. Quando saí do hospital, dei de cara com a estação do Méier e um trem chinês (idêntico ou até o mesmo, quem sabe) e desabei numa cachoeira de lágrimas. Hoje, voltando do IML (Instituto Médico Legal), foi parecido quando passei pela São Cristóvão”, afirmou. 

Pedro ficou internado de sábado, 30, até terça-feira, 2, no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier (zona norte). No mesmo dia em que levou as facadas, foi submetido a uma cirurgia. Com movimento de três dedos da mão esquerda comprometidos pela profundidade dos cortes, que atingiram até um dos nervos do braço, ele deverá passar por tratamento de fisioterapia. 


Tudo o que sabemos sobre:
violênciaRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.