Juiz e família são baleados ao escaparem de blitz no Rio

Magistrado pensou que era uma armadilha montada por criminosos e policiais atiraram contra o veículo

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

03 Outubro 2010 | 04h40

SÃO PAULO - O juiz trabalhista Marcelo Alexandrino da Costa Santos, de 39 anos, o filho dele, Diego Lopes, 11, e sua enteada, Natália Lucas Cuker, 8, foram baleados, por volta das 19h45 de sábado, 2, após o magistrado federal tentar fugir de uma blitz que era realizada no final da Estrada Grajaú - Jacarepaguá por policiais civis da 41ª Delegacia, do Tanque, zona oeste do Rio.

Ao volante de um Kia Cerato vermelho, Marcelo, que atua na 4ª Vara do Trabalho de Duque de Caxias (RJ), ao ver três homens vestidos de preto e armados com fuzis, pensou que se tratava de uma falsa blitz montada por criminosos e resolveu parar e voltar na contramão, momento em que os policiais, segundo testemunhas, atiraram contra o veículo.

Mesmo baleado no peito, Marcelo conseguiu dirigir por quase 300 metros até o Hospital Cardoso Fontes, onde ainda bateu o carro contra um muro.

Após ser atendido no local, o juiz foi transferido para o Hospital Pasteur, no Meier. Também atingidos no tórax, Diego teve perfurados um dos pulmões, o diafragma e o fígado e Natália ficou com a bala alojada na barriga.

O estado do menino é grave, mas estável. Também estavam no veículo Sanny Lucas, 28 anos, esposa do juiz, e a mãe dela, Arlete Castro Aragão, de 53 anos, que sofreu um corte na boca.

A reportagem do estadão.com.br não conseguiu contato com a Polícia Civil do Rio, que teria outra versão para explicar o ocorrido. Os policiais teriam afirmado que atiraram contra ocupantes de um Honda Civic preto que abriram fogo em direção às viaturas ao se aproximarem da blitz, sinalizada com cones. No tiroteio, o veículo do juiz foi atingido por vários tiros, todos de fuzil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.