Juíza nega pedido de PMs contra filme 'Tropa de Elite'

Longa foi pirateado e assistido por milhares de pessoas; PMs dizem que ele mancha imagem da instituição

Roberta Pennafort, do Estadão,

12 Setembro 2007 | 18h54

Depois de assistir a uma cópia pirata de Tropa de Elite, a juíza da 1ª Vara Cível do Rio, Flávia de Almeida Viveiros de Castro, negou pedido feito por policiais do Batalhão de Operações Policiais (Bope) com o intuito de impedir a exibição do filme. Os PMs consideram que o longa - que ainda não foi lançado, mas foi pirateado e assistido por milhares de pessoas - mancha a imagem da unidade, a mais bem treinada da PM.   A juíza assistiu a uma versão pirata vendida por camelôs do centro do Rio e anexada ao processo pelos autores da ação. Ela entendeu que não existem ataques ao Bope ou à PM. Para Flávia, "as críticas feitas são ao sistema. E não há conceito mais aberto, mais indeterminado do que este". Na ação, pelo menos 19 oficiais do Bope pediram que fosse suspensa a comercialização, veiculação e exibição do filme, segundo a Justiça informou.   Para eles, o Bope representado é "uma horda de assassinos e torturadores". Os PMs reclamaram também porque consideraram que alguns personagens são identificáveis (apesar dos nomes trocados). Tropa, primeiro longa do diretor José Padilha, do documentário Ônibus 174, mostra policiais torturando e matando desafetos.   Na visão da juíza, "a narrativa do filme demonstra que ninguém é inocente nas largas avenidas ou nas vielas e becos da cidade do Rio de Janeiro. Vive-se em estado de guerra, de violência extrema e de corrupção, mas também de determinação, garra e coragem." O advogado dos policiais, Rodrigo Roca, disse que vai recorrer da decisão.

Mais conteúdo sobre:
Tropa de Elite

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.