Juizados de aeroportos do RJ recebem mil queixas em 2 meses

Gol e TAM lideram número de reclamações, que normalmente são devido a atrasos e cancelamentos de vôos

Agência Estado,

21 de dezembro de 2007 | 14h00

Os postos dos Juizados Especiais Cíveis de conciliação que funcionam dentro dos aeroportos Antonio Carlos Jobim e Santos Dumont, no Rio de Janeiro, receberam 603 queixas apenas no mês de novembro. Somando esse número às 545 reclamações contabilizadas no mês anterior, foram 1.148 queixas contras as empresas aéreas, informa o Tribunal de Justiça do Estado. Os dados de dezembro ainda estão sendo computados e os juizados começaram a funcionar em 8 de outubro.   Aeroportos têm movimento intenso e 22,1% dos vôos atrasam Passageiro não será ressarcido por vôo com atraso no fim de ano Conac revoga resolução que transferia vôos para Jundiaí    Do total de atendimentos em novembro, 368 aconteceram no Aeroporto Internacional Tom Jobim e 235 no Santos Dumont com, respectivamente, 31 e 22 acordos realizados.   Segundo o balanço divulgado nesta sexta, as empresas mais acionadas nesse período, no aeroporto Tom Jobim, foram a Gol (33% das ocorrências), TAM (29%), BRA (19%), OceanAir (3%), Varig (2%), Ibéria (2%), American Air Lines (2%), Air France (2%), TAP (1%), Web Jet (1%) e outras (6%). Os assuntos mais reclamados continuam sendo os atrasos de vôos (46%) e cancelamentos (31%), entre outros.   No Santos Dumont, a Varig ficou em primeiro lugar (24%) nas reclamações, seguida pela Gol (23%), TAM (22%), BRA (14%), Ocean Air (10%) e outras (6%). Mais uma vez, os problemas mais comuns foram os atrasos ou cancelamentos de vôos (31%), defeito do serviço (25%) e documentos (25%).   Os juizados especiais atendem também às causas de overbooking; violação, furto e extravio de bagagem; alimentação; hospedagem; cobrança de multa e remarcação, entre outras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.