Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Jungmann anuncia extinção de algumas UPPs e volta de policiais para as ruas no Rio

'Todos sabem que Unidades de Polícia Pacificadora não alcançaram o que deveriamter alcançado', disse ministro em evento no Rio

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2018 | 13h29

RIO - O ministro extraordinário da  Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta sexta-feira, 27, que algumas  das 38 Unidades de Polícia (UPP) serão extintas e outras serão incorporadas aos batalhões. O anúncio foi feito durante um evento na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), no centro da capital fluminense.

Segundo o ministro, que não quis dizer quantas UPPs vão acabar, os  policiais que atuam nelas serão deslocados para reforçar o policiamento nas ruas.

+++ Jungmann minimiza dados que apontam alta de tiroteios durante intervenção

Jungmann afirmou que o modelo de UPPs criado pelo Estado do Rio "não está mais cumprindo os seus objetivos". "Todos sabem que Unidades de Polícia Pacificadora não alcançaram o que deveriam ter alcançado", disse. "Houve uma expansão maior do que as pernas. O projeto foi além das possibilidades de manutenção do Estado", afirmou.

O ministro também criticou o funcionamento atual das UPPs no ponto de vista social.  "O Estado deveria ter entrado com educação e saúde (nas comunidades com UPPs), o que não foi feito", declarou.

+++ Tiroteios após intervenção aumentam de 1.299 para 1.502 no Rio

Segundo Jungmann, as comunidades que vão perder as UPPs ganharão "grupos de destacamentos" , que farão o policiamento nas regiões. Ele não falou em contingente. 

"Se as UPPs não estavam com capacidade de cumprir as suas funções, melhor que esses policiais sejam reintegrados à atividade policial", justificou.

+++ 139 dos 159 presos acusados de integrar milícia não eram investigados

Para a tarde desta sexta-feira, o comando da Polícia Militar marcou uma entrevista para explicar o que está chamando de "realinhamento das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP)". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.