FABIO MOTTA/ESTADAO
FABIO MOTTA/ESTADAO

Jungmann diz que articulação de 'poderosos' tenta impedir resolução do caso Marielle

Ministro da Segurança disse não haver garantias de que crime seja elucidado ainda neste ano. Polícia Federal passou a investigar 'complô de poderosos' que estaria dificultando a resolução do caso

Marcio Dolzan e Renata Batista, O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2018 | 19h30

RIO - O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou nesta sexta-feira, 23, que não há garantias de que o assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, seja elucidado ainda este ano. Segundo Jungmann, "existiria uma grande articulação envolvendo agentes públicos, milicianos e políticos" atuando para impedir a resolução do caso. "Eu diria que (o envolvimento deles no crime) é mais do que uma certeza", insistiu.

Jungmann declarou que a Polícia Federal passou a atuar mais diretamente no caso há apenas três semanas, apesar de ter se oferecido para ajudar nas investigações no dia seguinte ao assassinato, em março - o que foi descartado pelo Estado.

"A Polícia Federal - que nós oferecemos mais de uma vez que ela viesse para cá - é uma das melhores polícias investigativas do mundo, e eu acredito que ela vai, sim, avançar. Vai avançar esclarecendo o complô dos poderosos, dos podres poderes, que eu tenho certeza que é fundamental acabar com eles para o bem da sociedade do Rio de Janeiro", afirmou Jungmann, após participar de seminário organizado pela FGV, no Rio.

"A procuradora-geral da República teve acesso a duas testemunhas. Uma o Orlando Curicica e outra que permanece no anonimato, em que são feitas gravíssimas, enfatizo, gravíssimas acusações a agentes públicos aqui do Rio de Janeiro. Fica claro que existiria uma grande articulação envolvendo agentes públicos, milicianos, políticos, num esquema muito poderoso que não teria interesse na elucidação do caso Marielle, até porque estariam envolvidos nesse processo - se não tanto na qualidade daqueles que executaram, na qualidade de mandantes", disse o ministro.

Jungmann não quis dizer quem seriam os investigados, mas que eles são "poderosos, muito poderosos". O ministro tampouco revelou se entre os investigados estão políticos já presos por outros crimes. "Eu gostaria que estivessem todos presos, e ficarei muito feliz no dia em que estiverem todos na cadeia."

Apesar de admitir que o caso talvez ainda demore, Jungmann assegurou que ele será elucidado. "Nós vamos chegar em quem for. A Polícia Federal tem distanciamento suficiente, e é fundamental para poder avançar nesse processo de faxina do Rio de Janeiro, e é disso que se trata."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.