Justiça decreta prisão de assessor de prefeitura no RJ

De acordo com o processo judicial, a detenção é essencial para não atrapalhar a investigação do caso

estadão.com.br

27 Novembro 2010 | 01h39

SÃO PAULO - A 4ª Vara Criminal de Nova Iguaçu (RJ), Baixada Fluminense, decretou, na quinta-feira, 25, a prisão temporária por 30 dias do assessor da Prefeitura de Mesquita, Marcos André Gomes Marinho, o "Orelha", indiciado pelo assassinato do soldado PM Fábio Martins de Souza, do Grupamento Aéreo Marítimo (GAM), e pela tentativa de homicídio do policial Francinei Custódio de Medeiros, amigo de Fábio Martins.

O crime, registrado por um circuito interno de TV, ocorreu no estacionamento da casa de show Rio Sampa, na rodovia Presidente Dutra, em Nova Iguaçu, em 14 de novembro, após uma briga que começou no interior do estabelecimento. O réu, que se apresentou espontaneamente à polícia, teria dito que Fábio obstruiu com duas mesas a passagem para a porta do banheiro, o que gerou discussão, dando início à briga.

Segundo a justiça, a prisão do assessor é imprescindível para não atrapalhar a investigação, uma vez que várias testemunhas do crime ainda serão ouvidas. Ele disse também que se trata de crime hediondo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.