REGINALDO PIMENTA / AGÊNCIA O DIA
REGINALDO PIMENTA / AGÊNCIA O DIA

Justiça decreta prisão de segundo acusado de matar mulheres na zona sul do Rio

William Oliveira Fonseca, que está foragido, é apontado como comparsa de Jhonatan Correia Damasceno, que foi preso em flagrante na sexta-feira, 10; os dois serão indiciados por latrocínio (roubo seguido de morte), extorsão e incêndio

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2022 | 18h17

RIO – O segundo homem apontado como responsável pelas mortes de Martha Maria Lopes Pontes, de 77 anos, e da diarista Alice Fernandes da Silva, de 51 anos, ocorrida na última quinta-feira, 9, no apartamento de Martha, no Flamengo, zona sul do Rio, teve a prisão temporária por 30 dias decretada pela Justiça na tarde desta sábado, 11.

William Oliveira Fonseca, que está foragido, é apontado como comparsa de Jhonatan Correia Damasceno, que foi preso em flagrante na sexta-feira, 10, e segundo a Polícia Civil confessou o crime e apontou Fonseca como comparsa. Os dois serão indiciados por latrocínio (roubo seguido de morte), extorsão e incêndio. A prisão foi determinada pela juíza Luciana de Oliveira Leal Halbritter, do Plantão Judiciário da capital, a pedido da Polícia Civil.

Martha e Alice foram encontradas mortas, degoladas, dentro da casa da idosa, um apartamento na avenida Ruy Barbosa, no Flamengo, na tarde de quinta-feira, 9. Segundo a polícia, Fonseca e Damasceno haviam trabalhado recentemente no apartamento, e naquela tarde foram ao imóvel para extorquir dinheiro da dona. Obrigaram Martha a assinar três cheques, no valor de R$ 5 mil cada um, e um deles foi ao banco descontar enquanto o outro mantinha as duas mulheres reféns. 

Depois que os cheques foram descontados, os criminosos degolaram as vítimas, incendiaram o apartamento e foram embora. O fogo foi constatado por vizinhos, que acionaram os bombeiros. Os corpos foram encontrados por esses agentes, que controlaram o fogo. O corpo da idosa foi carbonizado.

Segundo um filho de Alice – o bombeiro hidráulico Diogo Fernandes da Silva, de 27 anos –, o serviço já havia sido pago, mas os dois pintores estavam exigindo mais dinheiro: “O serviço foi feito e todo pago, mas eles estavam coagindo a dona Martha a dar mais dinheiro. A dona Eleonora, filha dela, contou que há 15 dias eles bateram lá contando uma história triste e querendo mais dinheiro. Em outro episódio, na última semana, eles foram lá novamente, desta vez só com a dona Marta, colocaram o pé na porta, a ameaçaram e a coagiram para levar mais dinheiro. Nesse dia, a minha mãe não estava lá”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.