Polícia Civil/Divulgação
Polícia Civil/Divulgação

Justiça decreta prisão temporária de suspeito de assassinato no metrô

Edvardo Camelo Costa é acusado de ter matado o auxiliar de serviços Alexandre de Oliveira na Estação Uruguaiana na sexta

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

13 de julho de 2015 | 10h38

Atualizado às 19h27

RIO - A Justiça do Rio de Janeiro decretou a prisão temporária, por 30 dias, de Edvardo Camelo Costa, acusado de ter matado o auxiliar de serviços gerais Alexandre de Oliveira, de 46 anos, durante assalto na Estação Uruguaiana, na região central na capital, na última sexta-feira, 10. O homem foi reconhecido pelo próprio irmão, que procurou a Polícia Civil para entregá-lo após ter visto imagens do circuito interno do metrô, divulgadas na última sexta-feira, que flagraram o suspeito dentro da estação.

A juíza Maria Isabel Pena Pieranti acatou pedido da Polícia Civil e ressaltou, em sua decisão, que o latrocínio (roubo seguido de morte) cometido foi mais uma "eloquente demonstração da desavergonhada criminalidade urbana que vem assolando, assustadoramente, esta cidade". 

"A cada nova ocorrência similar vê-se que não se intimidam os delinquentes em agir em locais públicos, providos de câmeras e de vigilantes, muito movimento, à luz do dia. Covardemente audaciosos e vorazes, buscam o ganho fácil, mesmo que a vítima seja pessoa humilde e de parcos recursos", escreveu a magistrada. "O finado Alexandre de Oliveira era um simples office-boy que trabalhava fazendo depósitos e saques bancários." 

Costa tem nove anotações criminais por roubos com uso de arma de fogo, estelionato e formação de quadrilha, segundo a Delegacia de Homicídios (DH). Com passagens pela polícia desde 2004, ele foi posto em liberdade pela última vez em março deste ano.

O crime. Oliveira foi sepultado na tarde do último sábado, 11, no Cemitério São Francisco de Paula, no Largo do Catumbi, na região central da cidade. Por volta das 13h de sexta-feira, ele foi abordado por três bandidos, um deles armado, na bilheteria da estação, uma das mais movimentadas do centro. 

"Ao que parece, não houve reação, apenas o ato reflexo de segurar a mochila", contou o delegado Rivaldo Barbosa, chefe da Divisão de Homicídios. Com isso, um dos bandidos disparou, atingindo Oliveira no tórax e no pescoço. O bando fugiu com a mochila da vítima, que morreu no local.

Nesta segunda-feira, 13, o Procon Estadual abriu um processo administrativo para investigar a responsabilidade da concessionária MetrôRio no assalto. O objetivo é verificar se houve falha na segurança da Estação Uruguaiana. 

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiroviolênciametrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.