FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Justiça do Rio condena tenente-coronel da PM por sequestro de traficantes

Ex-comandante do 17º Batalhão de Polícia Militar e os outros 11 oficiais exigiram mais de R$300 mil por resgate de traficantes do Terceiro Comando Puro (TCP)

O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2018 | 04h36

O tenente-coronel da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Dayzer Corpas Maciel, foi condenado, na segunda-feira, 24, a 20 anos de prisão pelo sequestro de dois traficantes da facção Terceiro Comando Puro (TCP), em 2014. Outros 11 oficiais acusados pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) também foram condenados.

De acordo com a denúncia, o ex-comandante do 17º Batalhão de Polícia Militar e os outros 11 oficiais foram condenados pelos crimes de roubo qualificado e extorsão mediante sequestro. Corpas foi sentenciado a 20 anos de prisão e os demais receberam penas que variam entre 11 e 24 anos.

Os PMs foram condenados por ter exigido mais de R$ 300 mil pelo resgate dos chefes do tráfico do Morro do Dendê, na Ilha do Governador, e de Senador Camará, na zona oeste do Rio. Na ocasião, eles abordaram um veículo Ford EcoSport vermelho com cinco traficantes armados, na Estrada do Galeão. Com eles havia quatro fuzis, 18 granadas, três pistolas, oito carregadores e munição. Além da extorsão, os policiais se apropriaram de três dos fuzis apreendidos e os revenderam a traficantes da mesma organização criminosa.

Em sua decisão, a magistrada Ana Paula Monte Figueiredo diz que, além do ex-comandante, os oficiais Vitor Mendes da Encarnação, Rogério Veiga, Francisco Zilvano Souza Fonteles, Honorato José da Silva, Saint’Clair de Araujo da Silva, Marco Andre Lopes da Silva, Erickson Barros Pieroni, Roosevelt de Guimarães Carvalho Júnior, Alexandre Peres Querino, Saelton Lucio de Medeiros e Henrique dos Anjos Henaut infringiram o Código Penal Militar e, por isso, devem cumprir pena de reclusão em regime fechado. Quatro dos denunciados foram absolvidos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.