Justiça do Rio nega habeas corpus a detidos por atos contra a Copa

Presos são mantidos em celas separadas dos demais detentos no complexo de Bangu; Anistia Internacional critica detenções

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

14 de julho de 2014 | 18h53

RIO - A Justiça negou os pedidos de habeas corpus e de relaxamento das prisões temporárias dos detidos no último sábado por suposta participação em atos violentos durante as manifestações de rua no Rio. As prisões temporárias valem até esta quarta-feira, 16. 

Os advogados estão recorrendo. “O Judiciário está tratando com morosidade. Não estão dando a atenção que merece um caso de arbitrariedade”, criticou o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ), Marcelo Chalréo. 

As 17 pessoas presas na véspera da final da Copa do Mundo estão sendo mantidas em celas separadas dos demais detentos. As oito mulheres estão numa mesma cela da Cadeia Pública Joaquim Ferreira de Souza, feminina, e os nove homens, em celas individuais da Cadeia Pública José Frederico Marques - as duas no complexo de Bangu. “Pelo menos estão em setores separados dos presos comuns. A prisão já foi um absurdo; se ficassem misturados, seria mais um absurdo”, disse Chalreó. 

As prisões foram determinadas pelo juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau, da 27ª Vara Criminal. Ele considerou serem “imprescindíveis para o aprofundamento das investigações” e para a manutenção da ordem durante a final da Copa, uma vez que havia indícios de que os ativistas agiriam com “extrema violência” em manifestações anti-Copa na final do Mundial, domingo, realizada no Maracanã.

Críticas.Os argumentos foram rechaçados pela Anistia Internacional e a Justiça Global, ONGs defensoras dos direitos humanos, que tacharam as prisões de intimidatórias e antidemocráticas.  

A família da jornalista Joseane Freitas, concursada da Empresa Brasileira de Comunicação, foi pega de surpresa com sua prisão. “Ela estava com viagem de férias marcada para Portugal. Ninguém sabe do que está sendo acusada. Sabemos que participou das primeiras manifestações, pacificamente. Colocaram todos no mesmo saco. Ela não tinha nada contra a Copa”, disse o auxiliar administrativo Sidney Araújo, irmão de Joseane.

Movimentos sociais marcaram reunião para organizar um ato pela liberdade de todo o grupo, que é integrado também por estudantes, professores e pelo menos uma advogada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.