FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Laboratório no Rio ganha computador de R$ 60 mi para pesquisa

'Supermáquina’ tem capacidade para fazer 1 quatrilhão de operações por segundo; acesso será gratuito para pesquisador

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

16 de julho de 2015 | 03h00

RIO - Um supercomputador capaz de fazer um quatrilhão (1 seguido de 15 zeros) de operações matemáticas por segundo entra em fase de testes nas próximas semanas no Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), em Petrópolis, cidade na Região Serrana do Estado do Rio. Comprado por R$ 60 milhões à francesa Atos-Bull, o equipamento permitirá o processamento de grandes quantidades de dados em pesquisas de diferentes áreas - médica, nanotecnologia e meteorologia são algumas delas. O acesso será gratuito para os pesquisadores.

Batizado de Santos Dumont, o supercomputador tem capacidade entre 20 e 25 vezes maior do que os computadores brasileiros de alto desempenho disponíveis para a comunidade científica. “Isso obrigava o pesquisador a dimensionar sua proposta de estudo. Não se podia pensar muito grande”, disse o diretor do LNCC (vinculado ao Ministério de Ciência e Tecnologia), Pedro Dias. 

A outra opção dos pesquisadores era buscar parcerias no exterior para obter “tempo de processamento” em supercomputadores. “Vi autoria de artigos e patentes serem divididas só porque o colega estrangeiro cedeu tempo de processamento”, afirmou Dias. 

Pesquisa. O supercomputador integra o Sistema Nacional de Processamento de Alto Desempenho, formado por dez instituições. Os interessados em usá-lo devem submeter o projeto de pesquisa à direção do laboratório.

Entre as linhas de pesquisa que se beneficiarão do aparelho está a biologia celular, com estudos para desenvolver medicamentos para doenças negligenciadas pela indústria farmacêutica. “A Fundação Oswaldo Cruz articula uma rede nacional para o desenvolvimento desses novos fármacos”, disse Dias.

Santos Dumont, o supercomputador, saiu do Porto do Rio rumo a Petrópolis em quatro carretas após saga burocrática iniciada em 2009, quando os então presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Nicolas Sarkozy assinaram acordo de cooperação científica Brasil-França. Foi na capital francesa que Santos Dumont decolou com dirigíveis e fez o primeiro voo no 14-Bis, daí a homenagem.

Em 2011, houve novas exigências do Ministério da Ciência e Tecnologia para a compra do equipamento: a empresa teria de transferir tecnologia, fundar um centro de pesquisa de computadores de alto desempenho no Rio, outro de aplicações industriais e ainda ter projeto de construir máquinas no Brasil.

O projeto sairia por R$ 123 milhões. Por causa do contingenciamento de recursos, a última etapa ainda não saiu do papel.


Mais conteúdo sobre:
Petrópolis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.