Manutenção falha não causou colisão de trens, diz Supervia

Presidente da empresa diz que a compra de 17 trens ajudou na redução de falhas por quilômetro rodado

KELLY LIMA, Agencia Estado

31 Agosto 2007 | 17h38

O presidente da Supervia, concessionária dos trens do Estado do Rio, Amin Alves Murad, disse nesta sexta-feira, 31, que a empresa está dentro dos padrões internacionais aceito para falhas em seu sistema de tráfego e que não vê "como uma possível falha de manutenção possa ter causado o acidente" entre os dois trens no Ramal de Japeri, em Nova Iguaçu. Segundo ele, desde 1998 a empresa promove a reforma dos trens e investe na troca dos dormentes e novas tecnologias para aumentar a segurança dos transportes. Em entrevista coletiva, Murad informou que em 2007 a empresa somou um total de 1.800 falhas considerando desde as mínimas - não acionamento de uma porta ou farol apagado - às máximas, como o descarrilamento de um vagão. No ano passado, haviam sido registrado 6.000 falhas, metade das de 2005. "Essa evolução mostra nosso empenho e pretendemos chegar até o fim do ano sem atingir a média internacional que é de 3.000 falhas". O presidente da Supervia informou que a aquisição de 17 novos trens possibilitou a redução do índice de falha por quilômetro rodado. Há dois anos, acontecia uma falha a cada 9 mil quilômetros rodados e esse índice passou para uma falha a cada 16 mil quilômetros. Ele refutou críticas do Sindicato dos Ferroviários, dizendo que a empresa vem investindo na troca de dormentes e fazendo manutenção preventiva para evitar acidentes. Segundo ele, é precipitado sugerir qualquer causa para o acidente já que o laudo da perícia da empresa sai em 10 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.