Divulgação
Divulgação

Maricá pode ganhar primeiro ônibus de hidrogênio com passageiros do Rio

Uma experiência com tecnologia importada foi testada pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo anos atrás, mas não estão mais em circulação, segundo a Coppe/UFRJ

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2018 | 22h15

RIO - Os fartos royalties de petróleo recebidos pelo município de Maricá em 2018 viabilizaram uma parceria com a Coppe/UFRJ para colocar nas ruas da cidade praieira o primeiro ônibus a hidrogênio com passageiros do País com tecnologia 100% nacional e emissão zero de carbono. Uma experiência com tecnologia importada foi testada pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo anos atrás, mas não estão mais em circulação, segundo a Coppe/UFRJ. 

A parceria com a prefeitura de Maricá visa a diversificação da economia local, e o uso sustentável dos recursos oriundos dos royalties do petróleo.  “O projeto tem como objetivo criar mecanismos para fazer de Maricá um polo nacional na produção de tecnologias sustentáveis e produção de conhecimento na área. Sendo o primeiro passo para construção do Parque Industrial Sustentável que gerará receita, conhecimento e oportunidades de emprego em Maricá”, informou a Coppe/UFRJ.

Balneário turístico do Rio de Janeiro, Maricá ficou nacionalmente conhecido após o ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, em um telefonema grampeado com o ex-presidente Lula, comparar o sítio de Atibaia, alvo da Lava Jato,  ao município. O acordo com a universidade visa também o desenvolvimento industrial de tecnologias sustentáveis na cidade. 

A solenidade de assinatura do acordo será realizada amanhã em Maricá contará com a presença do prefeito de Maricá, Fabiano Horta; do diretor de Relações Institucionais da Coppe, professor Luiz Pinguelli Rosa; e do coordenador do Laboratório de Hidrogênio (LabH2) da Coppe, professor Paulo Emílio de Miranda.  O ônibus híbrido elétrico-hidrogênio, desenvolvido na Coppe sob coordenação do professor Paulo Emílio, foi apresentado no município em agosto deste ano.

Como funciona

O ônibus híbrido é movido a energia elétrica, obtida de bateria abastecida na rede e complementada com energia produzida a bordo, por meio de pilha a combustível alimentada com hidrogênio. Desenvolvido no Laboratório de Hidrogênio (LabH2), sob coordenação do professor Paulo Emílio de Miranda, é um veículo silencioso, com eficiência energética maior que a dos ônibus a diesel e com emissão zero de poluentes. O ônibus tem autonomia de 330 km e atende às exigências para veículos de uso urbano no Rio de Janeiro. 

“O veículo desenvolvido pela Coppe tem como resíduo água potável. Para maior comodidade dos passageiros, o ônibus tem piso baixo, suspensão a ar, vem equipado com ar condicionado, tomadas de 127V e USB em cada assento para recarga de dispositivos pessoais e acesso gratuito à internet por conexão sem fio”, informou a Coppe/UFRJ.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.