Gilmar Félix/Câmara dos Deputados
Gilmar Félix/Câmara dos Deputados

Marielle Franco: uma voz crítica às polícias do Rio de Janeiro

Nascida na Maré, começou a ir aos bailes aos 17 e aos 18 engravidou; violência mudou sua vida ainda na juventude

Juliana Diógenes, Marcelo Godoy, Márcio Dolzan e Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

15 Março 2018 | 22h51

RIO E SÃO PAULO - Favelada. Essa foi a primeira identidade de Marielle Francisco da Silva, que ela ganhou no dia em que nasceu, em 27 de julho de 1979. A criança ia morar no Morro do Timbau, no Complexo da Maré, um aglomerado de 16 favelas, com Antônio, seu pai, e Marinete, sua mãe.

+++ Direção dos tiros contra Marielle reforça hipótese de ataque premeditado

Até os 16 anos, foi a condição de favelada que determinou suas escolhas e seu cotidiano. Só mais tarde ela iria reivindicar e compreender dois outros traços fundamentais para sua vida: ser mulher e negra. Marielle teve formação cristã - era católica. Aos 16 anos, atuava na Pastoral da Juventude como catequista na comunidade.

+++ Manifestantes vão às ruas do País após morte de Marielle e Anderson

Com 17 anos, começou a ir a bailes funk. “Era adolescente da favela, que curte baile, torcida, farra, fugir da igreja para ir pro baile”, contou. Chegou a ganhar o concurso de garota Furacão. Conclui o ensino médio estudando à noite em um colégio público. Deu-se conta então que não tinha bagagem para seguir adiante com os estudos e cursar uma faculdade e, por isso, acabou no curso pré-vestibular comunitário da Maré.

+++ Diante de morte de Marielle, deputados europeus pedem suspensão de negociação com Mercosul

Foi ali que Edson Dias, diretor da ONG Redes da Maré, a conheceu. Ele era seu professor de história. “Ela era uma pessoa muito engajada nos problemas da Maré”, afirmou. Como a maioria das meninas da favela - ela dizia - engravidou. Tinha 18 anos, quando acrescentou outra identidade às três com as quais nasceu: a de mãe solteira. Para cuidar de Luyara, hoje estudante de Educação Física da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), teve de largar os estudos. “Porque mesmo com minha mãe ajudando, não tinha como deixar; o foco era cuidar da criança e não tinha ali um pai presente que assumisse suas responsabilidades.”

Trabalhou como educadora em uma creche e, dois anos depois, retomou os estudos no mesmo curso pré-vestibular. Foi ali que a violência urbana começou a mudar sua vida, quando uma amiga foi atingida por uma bala perdida durante um confronto entre a polícia e bandidos - o Morro do Timbau é dominado por traficantes do Terceiro Comando Puro.

Entrou na Pontifícia Universidade Católica (PUC), do Rio, onde obteve uma bolsa de 100%. Foi na universidade que percebeu que não dava para ter uma vida que se resumisse à “trabalho-casa-casa-trabalho” e, de vez em quando um “vamos à praia”. Marielle queria mais. “Precisava de mais”, disse. E foi na mesma época que o debate sobre a segurança no Rio conheceu o slogan: “Não quero meu dinheiro no caveirão, quero meu dinheiro na educação”. Artífice dessa campanha, era outro professor de História - Marcelo Freixo -, personagem importante para a trajetória seguinte de Marielle, na qual acrescentaria às suas identidades, duas outras: a de cientista social e militante política.

“A Marielle comprava todas as brigas que tinha que comprar. Ela representava aquilo que muito brasileiro quer na política: era uma mulher negra, que nasceu na favela da Maré, era feminista e tinha todas as bandeiras importantes da valorização da vida. Eu tinha muito orgulho dela”, disse Freixo.

Marielle formou-se em Ciências Sociais na PUC e fez mestrado em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense (UFF) com uma dissertação sobre as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Fez campanha para Freixo, eleito em 2006. Passou a trabalhar como assessora do deputado, na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio, onde acompanhava casos de violações de direitos humanos, como as praticadas por milicianos e policiais.

Trator

Apadrinhada por Freixo, elegeu-se vereadora pelo PSOL em 2016, com 46.502 votos - a quinta maior votação no Rio. Seu gabinete - ela dizia - era um lugar para o debate do gênero, da favela e da negritude. Apresentou 116 proposições e 16 projetos de lei, como o que garantia acesso ao aborto nos casos previstos em lei e garantia a abertura de creches no período noturno para pais que trabalham à noite. Era presidente das Comissão de Defesa da Mulher. Estava casada com Monica, a primeira mulher que beijou, sua “companheira de vida e de amor”.

Sua irmã, a professora de inglês Anielle Silva, de 33 anos, disse que Marielle não estava sendo ameaçada. “Ela estava muito tranquila.”

As identidades de Marielle marcaram sua militância até o fim. “Quem matou a Marielle achando que ia calar a Marielle, a transformou num símbolo e vai fazer com que muitas Marielles brotem no País”, reagiu Freixo. A filha Luyara foi no mesmo caminho: “Mataram a minha mãe e mais 46 mil eleitores! Nós seremos resistência porque você foi luta! Te amo”. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.