Médica é baleada no braço após fazer trabalho social em favela do Rio

Ela foi interceptada por criminosos e teria acelerado o carro; ela saía da Maré

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

26 Abril 2017 | 18h40

RIO - Uma médica que realiza trabalho assistencial no complexo de favelas da Maré, na zona norte do Rio, foi cercada por criminosos e atingida por um tiro no braço enquanto saía da comunidade, por volta das 11h desta quarta-feira, 26. 

Ela foi levada ao hospital e passa bem. Ninguém foi preso. Klayne Moura Teixeira de Souza, de 28 anos, faz residência médica no Hospital Municipal Miguel Couto, no centro do Rio, e também atua voluntariamente na Maré.

Segundo a Polícia Civil, ela dirigia seu carro rumo ao centro, após trabalhar em um projeto social, quando foi interceptada por criminosos. A médica teria acelerado, tentando fugir, e algum dos bandidos atirou. Atingida em um dos braços, ela foi socorrida ao próprio Miguel Couto, onde até o início da tarde estava internada em estado estável, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

A pasta informou que havia previsão de que ela recebesse alta ainda nesta tarde. Os criminosos fugiram e não haviam sido identificados até a tarde desta quarta.

Klayne é cearense e se formou em Medicina em 2013, no Centro Universitário Uninovafapi, em Teresina (PI).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.