Redes sociais/Reprodução
Redes sociais/Reprodução

Médico anestesista é preso em flagrante por estupro de grávida durante o parto no Rio

Enfermeiras desconfiaram do comportamento de Giovanni Quintella Bezerra e gravaram o crime; Cremerj abriu processo administrativo de expulsão

Rayanderson Guerra, O Estado de S. Paulo

11 de julho de 2022 | 11h14
Atualizado 11 de julho de 2022 | 14h46

RIO - Policiais da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de São João de Meriti, na região metropolitana do Rio de Janeiro, prenderam na madrugada desta segunda-feira, 11, o médico Giovanni Quintella Bezerra, autuado em flagrante por estupro de uma grávida em trabalho de parto no Hospital da Mulher, em Vilas dos Teles.

O anestesista foi filmado por enfermeiras da unidade hospitalar enquanto abusava de uma paciente dopada que passava por uma cesárea. Desconfiadas do comportamento do médico, as funcionárias esconderam um celular na sala de parto e flagraram o abuso.

As imagens mostram o anestesista ao lado da paciente, que está dopada. Enquanto a equipe cirúrgica se prepara para começar a cesariana, Quintella tira o pênis da calça e o coloca na boca da grávida.

A gravação foi feita na noite deste domingo, 10. A investigação foi conduzida pela delegada Bárbara Lomba, titular da Deam de São João de Meriti.

Em vídeo divulgado pela TV Globo, o anestesista demonstra surpresa ao ser informado pela delegada que está sendo detido por estupro.

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) abriu um processo administrativo para expulsar o médico. Ele foi indiciado por estupro de vulnerável, com pena que varia de 8 a 15 anos de reclusão.

Em nota, a Fundação Saúde do Estado do Rio de Janeiro e a Secretaria de Estado de Saúde, responsáveis pelo Hospital da Mulher de Vilar dos Teles, dizem que será aberta uma sindicância interna para tomar as medidas cabíveis contra o médico.

“A equipe do Hospital da Mulher está prestando todo apoio à vítima e à sua família. Esse comportamento, além de merecer nosso repúdio, constitui-se em crime, que deve ser punido de acordo com a legislação em vigor”, dizem.

Nas redes sociais, o médico anestesista mostrava sua rotina de trabalho. Em uma das publicações, em que aparece em um hospital, ele escreveu: "Em frente, vou ganhando meu espaço na profissão que escolhi fazer a diferença".

O advogado Hugo Novais, que defende Quintella, disse em nota que a defesa ainda não obteve acesso à íntegra dos depoimentos e dos elementos de prova no auto de prisão em flagrante. "A defesa alega que ainda não obteve acesso na íntegra aos depoimentos e elementos de provas que foram produzidos durante a lavratura do auto de prisão em flagrante. A defesa informa também que após ter acesso a sua integralidade, se manifestará sobre a acusação realizada em desfavor do anestesista Giovanni Quintella."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.