Menina de 11 anos é morta por bala perdida em favela no Rio

Três criminosos também são mortos pela polícia durante operação no Morro do Telégrafo, em Benfica

Talita Figueiredo, especial para O Estado de S. Paulo,

16 de dezembro de 2007 | 11h06

Uma menina de 11 anos e três criminosos foram mortos durante uma troca de tiros entre policiais militares e bandidos em Benfica, zona norte do Rio, na noite de sábado, 15. Fabiana Santos Monteiro estava em casa, no Morro dos Telégrafos, quando foi atingida na barriga. Ela chegou a ser levada para o Hospital Souza Aguiar, no centro, mas não resistiu aos ferimentos. O avô dela, Fernando Monteiro, de 60 anos, também foi atingido por um tiro no braço. Atendido no mesmo hospital, ele foi tratado e liberado.   Os três homens mortos seriam assaltantes. Eles estavam dentro de um Honda Fit roubado e fariam parte de um bando formado por cerca de 12 homens que estariam se preparando para atacar motoristas, de acordo com denúncia recebida por policiais militares do 4.º Batalhão de Polícia Militar. Houve perseguição e troca de tiros na Rua Ana Neri, na altura do Largo do Pedregulho, em Benfica, próximo ao Morro do Telégrafo. Três morreram e os outros criminosos fugiram em direção ao morro.   Pouco depois do tiroteio, traficantes do morro, que fica ao lado da Mangueira, começaram a atirar em direção ao Posto de Policiamento Comunitário que fica na entrada da favela. A PM enviou reforços do Batalhão de Operações Especiais (Bope), 4.º BPM, 6.º BPM e a Coordenadoria de Operações Especiais (Core), da Polícia Civil.   Mais de 150 policiais militares e três carros blindados, conhecidos como Caveirão, também participaram da ação. Houve intensa troca de tiros e a menina e seu avô foram atingidos. Eles estavam no segundo andar da casa onde moram, na entrada do morro. A Polícia Militar disse que o tiro teria partido dos traficantes, mas o caso será investigado pela Polícia Civil.   Durante o tiroteio, motoristas que passavam pelas ruas do bairro ficaram assustados e chegaram a voltar de marcha-a-ré. As ruas Ana Neri e Visconde de Niterói, onde fica a quadra da Mangueira, ficaram parcialmente interditadas. O ensaio da escola de samba, que aconteceria mais tarde, não chegou a ser afetado.   Falsa Blitz   No início da manhã, o policial civil José Carlos dos Santos, de 53 anos, foi morto com vários tiros durante uma falsa blitz na entrada do túnel Noel Rosa, em Vila Isabel, zona norte. De acordo com policiais militares do 6.º BPM, que estiveram no local, ele teria tentado reagir. A arma do policial foi levada pelos criminosos.   Matéria ampliada às 15h38

Tudo o que sabemos sobre:
TiroteioBala perdida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.