Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Menino de um ano e meio morre baleado enquanto cortava cabelo no Rio

Outra criança de três anos foi baleada e encaminhada a um hospital da região; Polícia Civil ainda apura as circunstâncias dos crimes

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2021 | 10h16
Atualizado 26 de outubro de 2021 | 14h50

RIO DE JANEIRO - Um menino de apenas um ano e meio e outras duas pessoas morreram na tarde da segunda-feira, 25, atingidas por tiros em uma barbearia em Mesquita, na Baixada Fluminense. Além deles, outra criança de três anos foi baleada e encaminhada a um hospital da região. Até o momento, ninguém foi preso. A Polícia Civil ainda apura as circunstâncias dos crimes.

Mário Neto Ferreira Lourenço estava com o pai na barbearia no bairro de Jacutinga quando foi atingido. Ele chegou a ser encaminhado ao Hospital Geral de Nova Iguaçu, mas não resistiu aos ferimentos. O pai dele, Lucas Lourenço, manifestou desolamento nas redes sociais.

“Hoje foi meu filho. Perdeu a vida cortando cabelo no salão, vítima da violência do Estado do Rio de Janeiro. Até quando vamos perder entes queridos? Um ano e seis meses, meu príncipe. Senhor, misericórdia. Muita dor na minha alma”, escreveu Lourenço. Nas últimas horas, ele compartilhou vídeos da criança brincando em casa.

Além de Mário Neto, foram mortos Ruan Batista de Souza, de 24 anos, e Renan Felipe Batista Nunes, 17.O caso é investigado pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense. Segundo a Polícia Civil, agentes já foram ao local coletar imagens de câmeras de segurança para auxiliar nas investigações. As diligências seguem em andamento, mas até o momento as causas do crime e os autores ainda são desconhecidos.

Mário Neto foi a quarta criança morta por bala perdida na Região Metropolitana do Rio apenas em 2021. Segundo dados do Instituto Fogo Cruzado, 104 crianças foram baleadas no Grande Rio nos últimos cinco anos. Desse total, 31 delas morreram.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio de Janeiro [estado]bala perdida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.