Felipe Dana/AP
Felipe Dana/AP

Menor praticando crime é 'problema de polícia', não social, diz Paes

Para prefeito, caso seja confirmada participação de adolescentes na morte de médico, eles devem ser tratados como 'delinquentes'

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

21 Maio 2015 | 12h35

RIO - O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), foi duro nesta quinta-feira, 21, ao falar sobre os suspeitos da morte do médico Jaime Gold, de 56 anos, vítima de latrocínio na noite de terça-feira, 19, na Lagoa Rodrigo de Freitas, zona sul. Para o prefeito, caso seja confirmada a participação de menores no crime, eles precisam ser tratados como "delinquentes". Paes foi mais longe e afirmou que "isso não é um problema social".

"O que a gente vê nesses casos é uma pessoa que sai armada de uma faca, agride, a ponto de levar essa pessoa à morte. Esse não é um criminoso que tem que ser tratado", sustentou o prefeito. "É um delinquente que tem que ser tratado com a dureza da força policial. Não tem jeito. Isso não é um problema social."

Horas mais cedo, um menor de 16 anos foi apreendido pela polícia suspeito de participação no crime na Lagoa Rodrigo de Freitas. Questionado sobre isso, Paes foi direto. "Criança, menor, praticando crime é um problema de polícia, não é um problema social. O poder público tem a responsabilidade de acolher, mas quando você tem alguém esfaqueando a ponto de matar, isso deixa de ser um problema social e passa a ser uma ação criminosa", defendeu.

"A gente precisa diferenciar o delinquente do problema social. Não se pode justificar tudo pelo problema social. Tem que ter ação contundente, e eu confio muito na reação do governador (Luiz Fernando) Pezão e do secretário (José Mariano) Beltrame nesse assunto", continuou o prefeito.

Na avaliação de Paes, muitas vezes crimes são atenuados com a justificativa de que são praticados por menores em vulnerabilidade social, o que nem sempre é o caso.

"Isso ficou claro naquele episódio que teve na (Avenida) Rio Branco (na região central), que a TV Globo mostrou e se dizia 'Ah, o menor, o problema social', e depois se viu que ele tinha 24 anos na cara e estava pela Rio Branco esfaqueando. Quando a polícia entrou, acabou essa história", destacou o prefeito, lembrando do caso em que um homem sofreu facadas em uma parada de ônibus. "A gente tem desafios enormes no Rio no campo social, mas isso não pode justificar tudo. Isso levou o Rio a muitos problemas no passado."

Sobre as críticas à insegurança na região da Lagoa, Paes considerou que "não é um lugar mal cuidado". Ele disse que a iluminação foi trocada há cerca de dois anos, com a instalação de postes abaixo da copa das árvores e com luzes de LED.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.