Monomotor que caiu tinha querosene no lugar de gasolina

A transcrição dos diálogos da aeronave com a torre de controle será feita em Washington, em até uma semana

Pedro Dantas, O Estado de S. Paulo

03 de março de 2008 | 12h29

Investigação da Polícia Civil mostra que houve troca de combustível no monomotor, que caiu no domingo, 2, na Barra da Tijuca, deixando quatro mortos. Segundo o delegado titular da 16.ª Delegacia de Polícia (Barra da Tijuca), Carlos Augusto Nogueira Pinto, as notas fiscais apreendidas mostram que a aeronave movida a gasolina foi abastecida com querosene.   "De acordo com testemunhas a aeronave engasgou na decolagem no Aeroporto de Jacarepaguá", afirmou Nogueira Pinto. O monomotor foi abastecido no posto da Petrobrás. A estatal ainda não se pronunciou sobre o assunto. A transcrição dos diálogos da aeronave com a torre de controle de Jacarepaguá foi repassada para a Superintendência Regional da Infraero e o TDU, espécie de caixa-preta da aeronave, será enviada para Washington e será transcrita em até uma semana.   O monomotor caiu em um galpão em obras, entre uma concessionária da Citroën e o Restaurante Cervantes, na Avenida das Américas. O piloto e três empresários, que seguiam para Florianópolis (SC), morreram na hora. O acidente ocorreu a 60 metros de um condomínio de classe média alta, onde famílias aproveitavam o dia de sol forte na piscina.   Morreram o piloto, Frederico Carlos Xavier de Tolla, de 66 anos; o proprietário da aeronave, o empresário Joci Martins, vice-presidente do Sindicato da Construção de Florianópolis; e os passageiros Silvio Pedro Donzela e Gilmar Sidnei Toni.   A aeronave decolou às 11h43 do Aeroporto de Jacarepaguá, que fica a 2 quilômetros do local, e caiu logo em seguida. Um piloto do Clube Esportivo de Vôo, Araújo Francisco de Assis, disse ter ouvido pelo rádio um alerta da torre, 15 segundos após a decolagem, de que havia fumaça no Cirrus. Mas o piloto não respondeu. "Logo o avião entrou em parafuso e caiu de bico."   Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Tolla tinha 44 anos de carreira e era bastante experiente. Ele se aposentou como comandante da Varig, no fim dos anos 90, pilotando jatos transcontinentais MD-11. O monomotor estava registrado em nome da Cisa Trading, em Santa Catarina, e tinha manutenção e seguro obrigatório em dia. O prontuário médico e a habilitação do piloto também estavam atualizados.   Pesquisa do NTSB (National Transportation Safety Board) mostra que nos últimos dez anos, só nos Estados Unidos, houve 93 notificações de acidentes com aviões Cirrus, dos quais 61 com SR-22. Em 22 desses, houve mortes - 45 no total. No Brasil, a investigação é feita pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Só este ano o órgão registrou 24 acidentes no País. Em 2007, ocorreram 97 acidentes aéreos no Brasil, 31 com aeronaves de aviação geral. No dia 4 de novembro, um avião Learjet caiu sobre quatro casas na zona norte de São Paulo. Morreram os dois tripulantes e seis pessoas de uma mesma família.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.