Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Moradores do Morro de São Carlos, no Estácio, incendeiam ônibus

Ações na Avenida Salvador de Sá e na Rua Campo de Paz são protestos em represália a mortes de dois mototaxistas a facadas

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

15 Maio 2015 | 10h10

Atualizado às 14h35

RIO - Moradores do Morro de São Carlos, no bairro do Estácio, atearam fogo a dois ônibus em acessos à comunidade, na região central do Rio de Janeiro, na manhã desta sexta-feira, 15. Os veículos estavam na Avenida Salvador de Sá e na Rua Campos da Paz. As ações foram protestos em represália às mortes de dois moradores, os mototaxistas Rodrigo Lourenço, de 29 anos, e Ramon Moura Oliveira, de 22,cujos corpos teriam sido encontrados na manhã desta sexta-feira com marcas de facadas. 

Com eles dois, o número de mortos nas comunidades da Coroa, Fallet, Fogueteiro, São Carlos e Mineira, todas na região entre centro e Santa Teresa, chega a 12 desde a última sexta-feira, 8, quando bandidos de facção do Fallet invadiram a Coroa.

De acordo com moradores e familiares, Rodrigo e Ramon teriam sido abordados por homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope) durante a noite desta quinta-feira, 14, quando deixaram um campo de futebol na favela, e foram mortos a facadas.

Os corpos foram encontrados em uma vala no alto da comunidade, para onde teriam sido arrastados pelos policiais.

Equipes da Delegacia de Homicídios (DH) estão no local para realizar perícia. O delegado Rivaldo Barbosa, titular da unidade, pediu que a indignação da população sirva para levar informações à DH. 

Segundo testemunhas, 60 pessoas estavam no ônibus queimado no Largo do Estácio, da linha 229 (Usina-Castelo). Por volta de 7h30 desta sexta-feira, quatro homens que estavam com máscaras pararam o veículo e pediram para que todos os ocupantes descessem.  Ninguém ficou ferido.

Eles teriam ainda pego o dinheiro do caixa do ônibus e comprado combustível para alimentar as chamas. O fogo atingiu a fiação elétrica e interrompeu o fornecimento de internet em alguns locais da região. Por volta das 11h, técnicos realizavam reparos.

Já para incendiar o segundo ônibus, na Rua Campos da Paz, homens utilizaram um veículo para bloquear a circulação de outros carros e pessoas, afirmou uma testemunha. Bombeiros do Quartel Central, no centro, atuaram nos dois casos. 

Um ato de moradores em um dos acessos da favela foi dispersado com bombas de gás lacrimogêneo. Os artefatos foram lançados em frente a uma creche, onde estudam bebês e crianças até três anos de idade. Por causa do ocorrido, pais compareciam à unidade para buscar seus filhos por volta de 11h desta sexta-feira.

"Foi um desespero. A gente se jogou ao chão. A gente estava lá em cima com as crianças e foi de repente, só escutamos as bombas e aquela fumaceira entrando. As crianças choraram muito. Descemos para essa sala aqui embaixo para ficarmos um pouco mais protegidas", disse uma professora da unidade.

"Estão esperando liberar as crianças para irmos embora. Até porque nossos próprios parentes estão preocupados, declarou outra funcionária da creche.

Os moradores afirmam que, desde a entrada do Bope, no dia 8, a rotina de abordagens violentas se intensificou. "Eles já chegam atirando. Eu mesma não estou deixando minha filha de 12 anos ir para a escola", afirmou uma moradora do Morro da Mineira, ressaltando que as mães da comunidade estão com medo. 

De acordo com o major Ivan Blaz, assessor de ocupação da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), a polícia está "apurando" e fornecendo todas as informações necessárias para a DH.

"O que estamos vivenciando hoje no Complexo de São Carlos é um evento que já vivenciamos em outros locais. É uma disputa de quadrilhas rivais atuando por territórios de pontos de vendas de drogas. Essa é a motivação do caos nesse momento", disse o major. 

Segundo Blaz, a ação da Polícia Militar é "preventiva" e "pretende resguardar os moradores da comunidade e priorizar a prisão desses criminosos".

O protesto ocorre ainda um dia após a morte de um adolescente, João Vitor Petrato Gomes, de 15 anos, e de um homem identificado como Ysmailon da Luz Alves Santos, de 21.

A PM afirmou que uma pistola foi apreendida com João Vitor. A Polícia Civil investiga as circunstâncias da morte do adolescente. As armas dos PMs que participavam da ação do Bope foram recolhidas e encaminhadas à perícia.

Desde a noite do dia 8, policiais do Comando de Operações Especiais (COE) patrulham as comunidades da Coroa, Fallet, Fogueteiro e São Carlos e Mineira. A ocupação não tem data para terminar, informou o secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Estácio Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.