Divulgação/Maqua-UERJ
Divulgação/Maqua-UERJ

Morre baleia jubarte encalhada desde sábado na Ilha Grande

Esforços de resgate mobilizaram cerca de 50 pessoas; pesquisadores estão em alerta e investigam o que pode ter ocasionado o encalhe de três animais em apenas uma semana

Mariana Durão, O Estado de S. Paulo

27 Agosto 2017 | 21h02

RIO - A baleia jubarte encalhada desde a manhã de sábado na Praia do Sul, na Ilha Grande, na Costa Verde do Rio, morreu neste domingo. Os esforços de resgate mobilizaram cerca de 50 pessoas, mas o animal não resistiu. Pesquisadores estão em alerta e investigam o que pode ter ocasionado o encalhe de três baleias juvenis – de cerca de um ano de idade – no litoral do Rio em apenas uma semana.

“É algo que está nos intrigando. Trabalho há 25 anos na área e nunca vi isso acontecer: três baleias encalharem em quatro dias. Pode ser uma triste coincidência ou haver um fator em comum, como algum tipo de doença ou vírus”, disse o coordenador do Laboratório de Mamíferos Aquáticos e Bioindicadores (Maqua), José Lailson. 

Segundo Lailson, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) foi consultado para informar se prospecção sísmica de petróleo baseada em sons na região. Esse pode ser um fator estressante para os animais e deixa-los atordoados. “Não podemos afastar nenhuma possibilidade”, explicou. As baleias jubartes juvenis têm cerca de 10 metros e pesam de 15 toneladas a 20 toneladas. 

Na tentativa de resgate da jubarte na Ilha Grande, na manhã de hoje, foram utilizados um helicóptero e dois rebocadores. Equipes de biólogos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e o Corpo de Bombeiros foram acionados. 

A força da arrebentação e a dificuldade de acesso ao local, uma reserva biológica, acabaram debilitando a baleia. A posição do mamífero também  impediu o resgate. De acordo com o Macqua, uma necropsia será realizada para entender a exata causa da morte.

Além da baleia jubarte que morreu neste domingo na Ilha Grande, os biólogos e a população ainda tentam libertar um outro animal encalhado na Baía da Sepetiba, próximo a Restinga de Marambaia, na Zona Oeste no Rio de Janeiro. Já houve três tentativas, mas o animal acaba voltando para a parte rasa da praia, em lugar de nadar para águas profundas. A baleia está bastante debilitada.

Na última quarta-feira (23), uma outra baleia jubarte ficou 24 horas parada na Praia Rasa, em Búzios, Região dos Lagos fluminense. Ajudada pela população local, ela conseguiu voltar para o mar no dia seguinte. O Rio é um corredor por onde passam baleias no período migratório. Nessa época do ano elas vêm da Antártica, onde se alimentam, para o litoral da Bahia e do Espírito Santo, onde se reproduzem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.