Marcelo Sayão/EFE
Marcelo Sayão/EFE

Morre radialista ferida em acidente com carro alegórico da escola Paraíso do Tuiuti

De acordo com a delegada responsável pelo caso, uma sucessão de erros, como a falta de visão do motorista e a ausência de guias para orientá-lo na pista, ocasionou o acidente

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

29 Abril 2017 | 12h38

RIO - A radialista Elizabeth Ferreira Joffe, conhecida como Liza Carioca, morreu na manhã deste sábado, 29. Ela foi uma das vítimas do acidente com o carro alegórico da escola de samba Paraíso do Tuiuti no carnaval deste ano, que deixou 20 feridos.

Em nota, a escola de samba declarou estar “profundamente consternada com o falecimento. A diretoria lamenta o ocorrido e presta as mais sinceras condolências aos familiares e amigos”. A agremiação diz ainda que “desde o fatídico episódio, não se furtou em arcar com os custos do tratamento médico e oferecer apoio irrestrito às vítimas com sequelas e ferimentos graves”.

O marido de Liza, Paulo Guterres, publicou no Facebook uma mensagem na última quinta-feira, 27, pedindo orações. “Amigos, por favor, peço uma grande corrente de orações pela minha Liza Carioca. O quadro dela se agravou mais e estamos muito preocupados”, disse.

Em março, quatro pessoas foram indiciadas por crime culposo (sem intenção) pelo acidente. A delegada responsável pelo caso, Maria Aparecida Mallet, disse à época que uma sucessão de erros, como a falta de visão do motorista e a ausência de guias para orientá-lo na pista, ocasionou o acidente.

Foram indiciados o motorista da alegoria, Francisco de Assis Lopes, o engenheiro que a projetou, Edson Marcos Gaspar de Andrade, e os diretores de alegoria e carnaval da escola, Jaime Benevides de Araújo Filho e Leandro Azevedo Machado.

Mais conteúdo sobre:
CARNAVAL 2017 Paraíso Tuiuti Facebook

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.